quinta-feira, 14 de agosto de 2008

18 De Agosto de 1917



Para ti mãe.....

Mãe, tu não sabes bem quantos, mas hoje completas mais um aniversário.
Gostaria que Deus me desse engenho e arte para por palavras deixar aqui escrito tudo o que vai dentro de mim.
Fica esta poesia, de Eugénio de Andrade, que melhor de que tudo o que eu diga, deixam bem expresso tudo o que eu sinto.
Parabéns e obrigado por me teres acompanhado em todos os anos da nossa vida.

No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe.
Tudo porque já não sou
o menino adormecido
no fundo dos teus olhos.
Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais.
Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.
Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura.
Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos.
Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!
Olha - queres ouvir-me? -
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;
ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;
ainda oiço a tua voz:
Era uma vez uma princesa
no meio de um laranjal...
Mas - tu sabes - a noite é enorme,
e todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber.
Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.

Boa noite. Eu vou com as aves.

3 comentários:

FILIPINHA disse...

Lindo...

AnaT disse...

Eu sei que já lhe tinha dito mas fica aqui o registo: "Já não fui a tempo mas de qq forma aqui ficam os meus parabéns para as 91 primaveras da sua Mãe! Que se não tivesse nascido, não tinha tido um filho tão especial como o Manuel!"
Bjinhos
Ana

Filipinha disse...

Uma sugestão de Passeio... ;-)

"Praia de Alfarim

Bem perto da Praia do Meco, Alfarim envolve-nos com a sua areia branca e com as dunas ao longo de toda a costa.
Com acesso relativamente acessível, a praia de Alfarim, também conhecida por Praia do Moinho de Baixo, dispõe de bar e restaurante e garante a segurança dos banhistas com um vigia.
Toda a extensão de areal, tal como o imenso oceano a perder de vista, não pode deixar de ir a banhos na Praia de Alfarim ou simplesmente descontrair perante a o mágnifico pôr do sol." in http://www.guiadacidade.pt/portugal/?G=monumentos.ver&artid=14106&distritoid=15