terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Espero o amanhã


Há dias em que a tristeza me invade, toma conta de mim e me deixa numa total prostração.
Há dias em que não me conheço. Fico com uma melancolia que grita, com um torpor que me invade a alma e me entorpece os sentidos.
Quero ser eu, mas não consigo. Quero lutar mas as forças me abandonam, e o ânimo me esmorece.
Quero reagir mas as saudades que gritam dentro de mim, tomam conta do meu ser, amorfalham-me o corpo, destroem-me animo, atrofiam-me a vontade.
Quero gritar, como se o som do desespero resolvesse, como se a fúria da minha garganta fosse remédio para o negro que se apodera de mim.
Quero fugir, mas não consigo deixar a dor, ela vem sempre comigo.
Quero olhar o céu à procura da estrela que brilha acima de todas as outras, mas a escuridão da noite só serve para agudizar mais o meu sofrimento.
Espero o amanhã. O amanhã que nunca chega.

2 comentários:

AnaT disse...

Chega, sim (basta acreditar) e qdo se sentir assim feche os olhos e pense em nós que tanto gostamos de si e que gostamos mesmo de o ver a sorrir! :o) Bjinho!

Filipinha disse...

Um grande beijinho...