terça-feira, 12 de abril de 2011

A última viagem





Tinha acabado de fazer 23 anos e parecia já ter vivido uma eternidade. Não tinha rugas no rosto mas tinha dentro do corpo as marcas de uma existência difícil.

Ficara órfão, de mãe, aos 7 anos e o pai, homem simples, perdeu todo o interesse pela vida e procurou no álcool o refúgio para a perca da mulher que, sempre, tinha sido a verdadeira razão da sua existência.
Ficou sem a mulher, sem o emprego, sem dignidade e estava próximo de perder o amor do filho.

******
O dia estava lindo e o ribeiro corria em turbilhões pois a chuva dos últimos dias tinha aumentado consideravelmente o caudal.

Gustavo ia atirando pedras que em saltos iam deslizando sobre as águas. Havia três dias que não ia à escola, não se sentia bem junto dos outros rapazes com os calções tão delidos que a cada momento tinha receio de ficar com o rabo à mostra e ser o motivo da chacota dos colegas.

O Fernando era o único, verdadeiramente, seu amigo e que com ele, muitas vezes, dividia o lanche. Outras vezes era a dona Alzira que o chamava e lhe aconchegava o estômago com uma malga de sopa e uma bela fatia de pão untada com manteiga.

*****
Quando tentava olhar para o passado, apenas via um rapazinho que lutava contra a adversidade, que se alimentava da generosidade das vizinhas, com um pai de grande coração que vivia anestesiado nos copos de vinho que os amigos lhe iam pagando nas tascas da aldeia.

Quando fez 14 anos o senhor Arlindo deu-lhe um lugar na mercearia a troco de umas poucas moedas e por lhe encher a barriga em duas refeições diárias.

Aos 18 anos arranjou emprego, na vila, na cooperativa.

Era difícil ao fim de um dia de trabalho a pisar uvas, a girar o engenho para esmagar as azeitonas ou a carregar as sacas dos cereais, voltar a uma casa vazia, onde apenas o "mandrião", velho rafeiro amarelo, escanzelado e brincalhão o vinha receber com grandes festejos num alegre abanar de cauda.

Por toda a casa as recordações andavam de mãos dadas com as saudades de uma mãe de quem já, quase, esquecera o rosto e a imagem de um pai arrastando um desgosto afogado no álcool.

Era difícil olhar as paredes tão vazias e ao mesmo tempo tão cheias de lembranças.

*******
Neste domingo soalheiro, como habitualmente, procurou as margens do ribeiro onde as suas pedras faziam as melhores e mais longas derrapagens deixando círculos que suavemente iam morrendo nas margens. As libélulas, quais maquinas aladas, pousavam suavemente nos caules que emergiam das aguas. As aves em voos rasantes deixavam um risco de asa antes de mergulharem na superfície ondulada na procura de alimento. Em lado nenhum se sentia tão calmo, parecia que o murmúrio da aragem lhe sussurrava os conselhos com que a mãe o acompanhava. Por vezes era tão nítida que parecia que a voz não era trazida pelo vento, mas que a mãe estava tão presente que até doía.

Ao princípio tinha medo mas agora até ficava mais tranquilo. Fechava os olhos e imaginava-se aconchegado nos braços macios e banhado no perfume que nunca esqueceu e que entrava no seu corpo tomava conta dos seus nervos, embebia os seus músculos, enchia o seu sangue e percorria-o todo numa doce sensação de paz e de tranquilidade. Chegou a adormecer embebido nessa doce sensação de tranquilidade e quando acordava sentia, mas sentia mesmo, no ar aquele aroma que o corpo da mãe exalava e que lhe dava aquela paz que o tornava, por momentos, o mais feliz menino de mundo.

Ainda hoje, e já vão decorridos tantos anos, quando pousa a cabeça na sua almofada sente a mão da mãe aconchegando a dobra do lençol.

Fecha os olhos e tenta imaginar aquele rosto mas a imagem está um pouco difusa, não consegue descodificar os pontos que na sua mente tenta compor o todo que aos poucos se tem desvanecido. Quando contempla a amarelecida foto que religiosamente guarda entra as páginas da Bíblia parece que o sorriso se abre mais, mas está cada vez era mais esbatida. A mãe está sempre com ele, o seu cheiro, toda a sua essência mas o rosto estava a fugir, cada vez mais desbotado, como se quisesse envelhecer e não ficar na idade do filho que ia crescendo.

Naquela manhã a ribeira corre tranquila, no ar sente-se o cheiro das flores de loendro que florescem nas margens.

Gustavo estendeu-se numa pedra e ficou a contemplar o horizonte e a imaginar o que seria a vida para além daqueles montes, que ao longe, pareciam encostar ao céu e fazerem a fronteiro entre a sua existência e o outro mundo que um dia ia descobrir.

Sempre desejou fazer a trouxa e apanhar a carreira que o levasse para esse desconhecido da cidade, mas não podia deixar o pai.

Se ele partisse quem o iria recolher, ao fim do dia, à tasca do Onofre?

Voltou quando a fome o começou a apertar mais e as amoras não eram, já, suficientes para a enganar.
*********
Não demorou muito que uma cirrose levasse o pai, que até a hora da morte continuou, sempre a reclamar pela sua Lena, que tão cedo tinha partido.

Gustavo, ficou sozinho neste mundo onde o colocaram sem lhe pedir opinião e com poucas condições para poder lutar pela sobrevivência.

Agora não tinha mais ninguém no terra a não ser aquela desconhecida e longínqua tia que diziam ter na cidade.

A casa podia ficar fechada e de certo que a vizinha não se importaria de ficar com o velho rafeiro que desde a morte do pai deixara de abanar o cauda e ia definhando lentamente, deitado na soleira da porta.

Era uma decisão difícil, tinha medo do mundo que desconhecia, receava toda a confusão que via quando espreitava as notícias na televisão na taberna.

Agora já nada havia a fazer, já dissera ao seu chefe, senhor Pica, que deixaria de trabalhar na cooperativa e que ia abalar para a cidade.

A cabeça andava num turbilhão, as ideias estavam baralhadas, o medo tinha-se apoderado de todos os seus sentidos. Como ia enfrentar o desconhecido, como se iria orientar na cidade grande? O bulício, o frenesim, o trânsito louco e toda a voracidade que o iriam tragar numa loucura a que tinha que se habituar.

Tinha tudo programado, amanhã cedo apanhava a carreira que o levaria ao comboio, depois seria a grande aventura.

Foi uma noite de insónias, só via homens sem rosto que o perseguiam e quanto mais fugia mais se aproximavam, queriam à força que ele entrasse num comboio sem janelas, pintado de negro e donde saiam sons e gemidos que o arrepiavam. Acordou encharcado, corpo dorido.

Teve medo, há muito que o não sentia.

Voltou a adormecer e viu a mãe que, tal como os homens, tinha o rosto coberto por uma névoa, mas o perfume era o mesmo, doce, suave e reconfortante. Ficou inebriado e tranquilamente dormiu em paz o resto da noite.

*********
A cidade era enorme e a confusão ultrapassava tudo o que tinha imaginado, pessoas para a direita e para a esquerda num atropelo sem respeitarem nada nem ninguém.

Gustavo estava deslumbrado e confuso.

Quando agarrado à mala, enfrentou a rua ficou perdido sem saber o que fazer. Estava inquieto, baralhado e o seu olhar andava perdido ao tentar abarcar tudo o que o que o rodeava, aqueles prédios altos, os carros que se cruzavam e que só por milagre passavam sem nunca se baterem.

As moças de pernas longas e descobertas que se equilibravam em saltos tão altos que pareciam, mesmo, as andam que um dia o senhor Zé Adelino lhe tinha feito.

Uma, por sinal bem jeitosa, até lhe disse:

-Então filho hoje não queres nada?

Ficou ruborizado, tinha ouvido falar delas mas sempre pensou que eram fanfarronices de quem vinha à cidade, afinal era mesmo verdade.

Teve vontade de falar com a menina mas não sabia, mesmo, o que lhe dizer.

Arranjou um quarto numa pensão barata num terceiro andar com uma escada íngreme e mal cheirosa. A cama era pior da que deixara na aldeia, lençóis manchados e com cheiro a azedo de gordura e sexo. As paredes do quarto tinham manchas de humidade que aos seus olhos se tornavam em fantasmas que o iriam prosseguir ao longo da noite e logo aqui, tão longe, na cidade grande onde a mãe não o podia ajudar.

Precisava descansar, amanhã fazia 25 anos e tinha reservado, como presente, um dia de descanso para uma visita à cidade.

O cansaço foi seu aliado e a noite foi rápida. Quando acordou pensou que tinha que aproveitar o dia, e depois tinha que procurar uma ocupação pois o dinheiro que tinha depressa ia acabar. O quarto imundo era caro, o preço de uma refeição estava acima das suas possibilidades.

*******
Vagueou pelas ruas cheias, encheu os olhos de coisas que sabiam que existiam mas que ele nunca vira. Passeou por avenidas que pareciam não ter fim, andou ao acaso e de repente tinha a impressão de estar de volta a sítios por onde já tinha passado.

Encontrou o rio, que tal como a cidade, era enorme e sujo, com barcos que deitavam fumo das chaminés. Teve saudades da sua ribeira de águas limpas que corriam ligeiras saltando de fraga em fraga, com as margens enfeitadas de juncos.

Este rio era triste, as ondas espraiavam-se contra as margens onde os barcos baloiçavam acompanhando a cadência desse balanço.
Esteve horas olhando ao longe e a imaginar para onde iriam todos os barcos que o sulcavam.

Estava a entardecer e a fome obrigou-o a entrar numa tasca onde se ofereceu uma refeição acompanhada duma cerveja. Afinal era o seu aniversário.

Começou a pensar no regresso e nas voltas que teria que dar até encontrar a rua da sua pensão, tinha escrito num papel os nome, embora tivesse a certeza do a encontrar.

Seguindo o seu sentido atravessou o largo e seguiu a avenida, tinha a certeza, donde viera.

Ao fim teria que voltar à esquerda e seguir até encontrar aquela praça com a estátua de um cavaleiro.

Já a estava a ver ao longe e sorriu satisfeito.

Levava a cabeça cheia de sonhos e projectos, arranjar um emprego, alugar um quarto com uma cozinha para poder preparar as suas refeições, ter uma vida diferente.

Embrenhado nos seus pensamentos saiu do passeio.

*********

Ouviu um guinchar de travões, sentiu uma pancada bruta e viu-se a voar, Passou por cima carro e ficou estatelado na calçada. Sentiu uma dor aguda que parecia subir pelo seu corpo, mil estrelas brilhavam no seu cérebro, um liquido viscoso corria da sua cabeça um doce torpor ia tomando conta do seu corpo. Tinha muito sono e não queria ouvir o que diziam as pessoas que o rodeavam, só lhe apetecia dormir.

Junto a ele a mãe sorria, desta vez o seu rosto era tão nítido, estava rodeada de uma luz tão brilhante e a música era tão suave.

A aldeia estava linda com os campos cobertos de flores, o ribeiro corria manso, a sua casa estava rodeada de açucenas, o " mandrião" abanava a cauda de alegria.

A mãe, delicadamente, segurou as suas mãos.

Pela última vez sorriu.

Depois partiu feliz.



22 comentários:

Luna Sanchez disse...

Era então uma despedida.

=\

Um beijo, Manuel.

Vivian disse...

Bom dia,Manuel!!

Nossa!! Estou emocionada...que vida tão sofrida...mas ao menos no fim encontrou a mãe...
Ah!Amigo, que triste!!
Escreve de um jeito...que me senti vivendo a história!
Beijos pra ti!!
Boa semana!

Jacque disse...

Queria saber escrever como vcs... E tb poemas...

Obrigada pela visita !


Beijo

AFRICA EM POESIA disse...

Manuel
Vieste
E eu fiquei...
Contente.
Sinto saudades dos amigos
Este selo existe porque pessoas como tu aparecem sempre.
um beijinho

Os teus textos sempre fortes e lindos...

acácia rubra disse...

Era a Ressurreição anunciada.

Cumpriu-se a Páscoa.

Beijo

Laura disse...

Cheguei aqui e... li.

O personagem encontrou o caminho de regresso, porque o destino assim o entendeu.

Eu ando " à procura de mim ". Vou continuar.

Beijinho

Jacque disse...

Voltei rs... Eu vim convidar pra ver meu último vídeo, no Blog SENTIMENTOS.
http://sentimentos-jacque.blogspot.com/

Beijo

Elaine Barnes disse...

As vezes temos que dar tantas voltas na vida pra realizar nosso sonho. Caminhada longa por um momento de felicidade plena. Emocionante aMIGO! mONTÃO DE BJS E ABRAÇOS

Magia da Inês disse...

º°♥.¸Olá, amigo!.•✿♫°

Emocionante... mas fiquei triste.

Bom fim de semana!
Beijinhos

¸¸.•´*✿♫°`•.¸¸
°♥•°Brasil°•♥°
♥♥ •.¸¸¸¸.•´º°

SDaVeiga disse...

Lindo!
Os reencontros são sempre uma coisa boa, é só uma questão de saber esperar...
Um bom fim-de-semana Manuel!

Jacque disse...

Obrigada Manuel ! Que bom ver seu coment. no Blog !



Beijo

Walkyria Rennó Suleiman disse...

vim apenas re dar bom dia, não li nada, ainda, mas volto

Sonhadora disse...

Meu querido Manuel

Como sempre pedaços de vida, contados por ti com muita emoção e beleza em cada palavra, adorei como sempre e deixo um beijinho.

Sonhadora

Luz disse...

Amigo Manuel,
Que história..., forte, intensa... Emocionei-me com esta vida sofrida, há vidas assim, umas de uma maneira outras de outra... Quem não tem as suas dores!?
A imagem que sempre guardou da sua Mãe acompanhou-o até ao fim e isso para ele foi um presente que a vida ainda lhe deu...
Gosto das suas histórias, encantam e fazem-nos viajar nas suas palavras.

Beijinho com amizade

Sandra Botelho disse...

Que triste fim ...
Que tristeza depois de uma vida de dor e miséria, como presente a morte...
Melhor finais felizes, me apetecem mais.
Gostaria que tivesse encontrado a casa da tia, lá uma prima linda o esperava, quando seus olhares se cruzassem, o amor seria repentino, amor esse que aumentaria com o passar dos dias.
Se trasnformaria então em um doce namoro.Ele conseguiria um trabalho e garanteria o proprio sustento, tempos depois ganharia mais e poderia pedi-la em casamento.Seriam tão felizes que ele nunca mais se lembraria da dor que antes havia sentido.
beijos achocolatados

Elaine Freitas disse...

Olá...

Lindo teu cantinho, interessante também...

Te convido a conhecer o meu espaço e Iluminar comigo!

Beijos

http://lainefreitas.blogspot.com

Ludmila disse...

Amigo, como estás?

Que texto PERFEITO! EMOCIONANTE, SONHADOR...
Mesmo sendo uma vida sofrida, mesmo sendo realidade de muitos tem sua magia, tem seu reencontro e um novo ciclo que começa.

Muitos abraços,

beeeijOdalua!

Elder Fitt disse...

Love all the pictures! They are great, keep up the great work!!

Luz disse...

Amigo Manuel,
Hoje passei por aqui para desejar uma Feliz Páscoa para si e todos os seus.

Beijinho com amizade

Magia da Inês disse...

Páscoa,

°•♥♥ °°•✿♫°.•

É ser capaz de mudar,
É partilhar a vida na esperança,
É dizer sim ao amor e à vida,
É ajudar mais gente a ser gente,

Boa Semana Santa!
Feliz Páscoa!!!✿°º
✿♫♫°º

Beijinhos.
Brasil°º
• ♥♥♫° ·.

( ),,( )
(=':'=)
(,,)♥(,,)

Sonhadora disse...

Meu querido Manuel

Hoje passando para desejar uma Páscoa Feliz, cheia de amor e paz, junto de quem amas.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Menina do cantinho disse...

Sem dúvida arrepiante, uma vida repleta de tristeza e miséria, mas sempre com a mãe bem presente e com a certeza de que o protegia.
A última viagem foi uma nova experiência e o reencontrar da mãe. Certamente um dos momento que mais desejava.

Beijinhos