domingo, 22 de dezembro de 2013

Um conto de Natal A guitarra do João

                  



  


Para o meu sobrinho Martim
 (Natal 2013)


Joãozinho tinha seis anos e era muito pobrezinho, pois os pais foram um dia, para o Brasil, e nunca mais voltaram.


Foi a avó Emília que tomou conta do menino. A avó era uma simpática velhinha, muito doce mas muito pobre. Vivia numa casa, pequenina, num pátio de gente boa que tanto a ajudavam.

Hoje, o Joãozinho está muito triste, tão triste que até o Sol parece querer por um raio de luz, nos olhos do menino, mas ele nem dá por isso.

Tem a cabeça escondida entre os braços, para que os outros meninos não possam ver as lágrimas que lhe escorrem pela cara.

Luís, que é o seu melhor amigo, achou estranha a posição do colega e foi-se aproximando para lhe perguntar:

-Dói-te a cabeça? Queres que eu chame a nossa professora para te ajudar?

-Não é preciso, respondeu o João, já passa!

Luís bem viu que ele estava a chorar, as lagrimas ainda se viam na cara.
Queria ajudar mas estava um pouco sem jeito, ainda era muito novo, e só a mãe é que sabia como isso se fazia. Mas tentou:

-Sabes João, no outro dia também chorei com dor neste ouvido, mas a minha mãe deitou umas gotas, de um remédio, e passado um bocadinho já não doía!


-A mamã mãe disse que quem chora não é mariquinhas e, disse mais umas coisas, que não percebi bem, mas aprendi que os homens grandes também choram.

-Não tenhas vergonha! Eu não conto aos outros meninos!

-Queres que eu peça à minha mãe o remédio para tratar o teu ouvido?

-Mas o meu ouvido está bom, respondeu o Joãozinho! Vou-te contar um segredo mas não digas nada, eu não queria chorar, mas não consegui, e as lágrimas apareceram sozinhas.

Luís estava sem perceber nada, ainda tinha só seis anos e, às vezes, não percebia bem as coisas.

-Mas se não te doí nada, porque estás então com lágrimas na cara?
Agora Joãozinho parecia querer sorrir, mas não lhe correu muito bem, o desgosto devia ser grande e o sorriso não apareceu.

-Vou-te contar tudo, mas juras que não dizes a ninguém? Suplicou o João.

-Eu pedi, ao Pai Natal, uma guitarra mas a minha avó disse que ele não tinha dinheiro, para guitarras, e só me podia trazer um chocolate.

-Eu queria tanto uma guitarra igual à que está na montra do senhor Elias!

-Eu porto-me bem, todo o ano, e nunca tenho prenda no sapatinho!

-Quando peço à minha avó um chocolate, diz que me faz mal aos dentes e não compra! Agora o Pai Natal vai trazer um e já não faz mal!

Luís ficou pensativo, também não percebia porque não davam prendas ao amigo, ele era tão bonzinho!

Queria dizer qualquer coisa mas, não sabia bem como fazer, havia palavras de crescidos que ainda não compreendia.
Pegou no braço do amigo e convidou:

-Anda, vamos brincar, se calhar a tua avó está muito velhinha e não percebe nada e o Pai Natal tem uma guitarra para ti.

No resto do dia, Luís, não largou o amigo para ele se esquecer da guitarra.

Quando fosse grande ia comprar uma e oferecia ao amigo, ou então se o Pai Natal lhe der duas, vai pedir à mãe que o deixe oferecer uma ao João. A mãe deve deixar!

No fim das aulas deram um abraço de amizade e, cada um foi para sua casa.
                             
                                    ############

Agora só voltavam na segunda-feira.

No sábado, o Luís, foi com o pai à padaria e quando passaram à montra do senhor Elias parou para ver a guitarra do João, era bonita, brilhava e tinha enfeites à volta do buraco. Luís não se conteve e pediu ao pai:

-Pai podia perguntar quanto custa aquela guitarra?

-Está ali o preço, naquela etiqueta, respondeu o pai!

-Mas quanto é, insistiu o Luís.

-Cinquenta euros, disse o pai. Mas para que queres saber?

-Não é nada, só para saber mesmo, respondeu.

Quando chegou a casa Luís perguntou à mãe:

-Oh mãe quanto é que eu tenho no meu mealheiro?
A mãe deu uma gargalhada e foi contar as moedas.


-Olha, disse ela, se não fosses gastador podias ter mais, assim só tens oito euros.

Na segunda-feira, Joãozinho, não foi à escola e a professora disse que a avó telefonou a dizer que ele estava doente, com febre.

Luís, quando encontrou, a professora, no recreio, aproximou-se um pouco acanhado. Ela percebeu e perguntou-lhe:

-Então Luís! O que me queres dizer?

Ficou um bocadinho envergonhado mas atreveu-se:

-Eu tenho, oito euros no mealheiro, para cinquenta quanto falta?

-Olha Luís, lá mais para diante já vão aprender essas contas, mas para teres os cinquenta faltam quarenta e dois.
Luís ficou a magicar, quarenta e dois euros são muitas moedas.

-Eu sei, continuou, porque é que o João Cosme está doente! Se tivesse os cinquenta euros conseguia que ele ficasse bom!

A professora, a muito custo, conseguiu evitar uma gargalhada.

-Senta-te aqui ao meu lado e explica bem porque eu não percebi nada!

-É assim, o João pediu ao Pai Natal a guitarra da loja do senhor Elias e, o 
Pai Natal, disse que ele só merecia uma tablete de chocolate e o João ficou triste e adoeceu.

A professora, dona Irene, ficou totalmente baralhada.

-Então Luís o João falou com o pai natal? Como é que ele fez isso?

-Ele só falou com a avó e ela é que falou com o Pai Natal e ele disse à avó que não tinha dinheiro e então o João chorou aqui no banco do recreio e eu vi.

-Vamos ver se entendi tudo! O João pediu essa guitarra mas, como não a pode receber, tu queres comprar mas só tens oito euros?

-Muito bonito o teu gesto, nós vamos arranjar uma maneira.


-Mas, pediu ele, o João não pode saber que não foi o pai Natal.
-Não vai saber querido! Disse a professora.

Luís estava radiante a professora Irene disse que nós íamos resolver.
 
                                             ######
À tarde, a professora, disse assim a todos os meninos:

-Tomem atenção, o João Cosme está doente e aqui o Luís, descobriu que temos que o ajudar. Como sabem, ele vive só com a avó que é muito pobrezinha, e não tem dinheiro para o Pai Natal comprar a prenda que o João tanto quer.

-Eu estive a pensar que podíamos, entre todos, ajudar. Que dizem?
-Siiiiiimmm, responderam os meninos.

A professora Irene, sorriu, estava feliz:

-Eu sabia que os meus alunos não iam esquecer um colega que agora precisa!

-Vamos fazer assim, se cada um der 2 euros ficamos com 36 euros, são 18 meninos, eu ponho o resto e compramos o brinquedo, falem com os vossos pais e se eles estiverem de acordo vamos em frente.

Luís levantou-se, levantou a mão e perguntou:

-Mas assim ele fica a saber que não foi o Pai Natal!
A professora sossegou:

-Não fica, é um segredo nosso! Eu vou a casa do vosso colega, na véspera de Natal, e digo que o Pai Natal se enganou na morada e deixou na escola.

-Booaa! Gritaram todos.


Luís não se conteve e perguntou:

-E, os meninos, também vão com a professora à casa do João?

A professora Irene sorriu, feliz, e respondeu:

-Se os vossos pais deixarem porque não?!
Os rapazes responderam em coro:

-Deixam pois! Os nossos pais até vão com a gente.

Quando bateram à porta, foi o João que abriu. Ficou, quase assustado, não esperava.

A avó gritou, lá de dentro:

-Quem é João?

-É a minha professora e os meus amigos.

-Então manda entrar! Que educação é a tua que deixas as pessoas à porta!

-Não vale a pena, disse a professora, vimos só entregar, ao João, um presente que o Pai Natal deixou na escola.

-Toma João, o Pai Natal não encontrou a tua morada.

 O João não sabia o que dizer, abraçou os amigos e apenas lhe saiu.

-A minha guitarra!

Voltaram todos, às suas casas, felizes porque tinham dado uma alegria a um amigo.





                               ###########


Cresceram, hoje já são homens, mas no Natal todos se recordam da guitarra do João.




19 comentários:

✿ chica disse...

Tão boas as recordações assim e tão bom te ler, mesmo em férias!

Feliz Natal e tudo de bom em 2014, sempre juntas por aqui!! abraços,chica

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido amigo

Que neste Natal a magia da criança que fomos esteja presente nos nossos corações...que não seja apenas uma comemoração de um dia, mas que se prolonguem por todo o ano...unindo almas com o carinho de uma palavra...o calor de um abraço...a doçura de um sorriso.

FELIZ NATAL junto de todos os que amas

Um beijinho com carinho
Sonhadora

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Uma história encantadoramente bela.
Parece que dava para esticar um pouco mais o final.

Se o amigo me permite chamo a atenção para o nome da professora.
Primeiro chamava-se Irene e na segunda parte da história chama-se Inês.

Deixo-te um abraço nestas recordações que nos renovam interiormente

LUZ disse...

Olá, Manuel!

Uma história, que condiz com a época que estamos atravessando.
Há ainda, muitos finais felizes, neste caso com guitarra, música e tudo.
A felicidade é possível com pequenas coisa, gestos simples.

BOAS FESTAS!

E cinco milhões de euros já se gastaram em presentes de natal, este ano. Comigo, as lojas, iam à falência, nesta altura, porque bacalhau já tinha e batatas, também. Bolo rei, comi há um mês, portanto, já me adiantei, e agora, zero. Espero só sair de casa, no dia 30 de dezembro, para tratar de assuntos bancários. Detesto confusão e consumismo natalício, que é um desperdício.

Beijos da Luz.

SOL da Esteva disse...

Manuel, meu Amigo


Sentir a comunhão do Natal,
viver o Espírito de Natal,
realizar o Natal, é o princípio da fraternidade e da amizade.
Ninguém fica imune.

Não tendo a faculdade de estar presente em cada lugar, em cada Sítio,
em cada recanto, dum modo uniforme e colectivo
(como uma coroa de Natal) te abraço ao meu mais profundo desejo:
UM SANTO E FELIZ NATAL.

Abraços

SOL

Flor de Lótus disse...

Bom dia,Manoel!Lindo e tocante conto como sempre!Adorei a escolha da música essa música me lembra infância ela era trilha sonora dos lápis de cores mais fomos aqui do Brasil.
Feliz Natal pra ti e pra toda tua família!Beijosss

Flor de Lótus disse...

Bom dia,Manoel!Lindo e tocante conto como sempre!Adorei a escolha da música essa música me lembra infância ela era trilha sonora dos lápis de cores mais fomos aqui do Brasil.
Feliz Natal pra ti e pra toda tua família!Beijosss

LUZ disse...

Ah, Ah! Quantos "repastos" destes já não teve? Mas, eu também sei que "a galinha da minha vizinha é SEMPRE mais gorda do que a minha", e "comer sempre do mesmo, enjoa", mas olhe, que a comida caseira é bem mais segura e recomendável. VÁ POR MIM!

Maria Luisa Adães disse...

Manuel

Estou noBrasi e tenh dificudades de acesso, mas hoje te encontri amigo e me seni feliz!

Belos textos e o merecimento de um Novo Ano Feliz!

Beijos e até sempre,

Maria Luísa

São disse...

Existem momentos que ficam para sempre...

Boas Festas, rrss

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Hoje agradeço o teu comentário cá em casa. As tuas palavras tocam cá dentro do peito Manuel.
Retribuo todo o carinho e espero continuar nesta senda de amizade verdadeira.
Aceita um abraço e o desejo de que 2014 seja bom - paz, saúde, amor e muita partilha.
Que nesta sociedade consumista se aprenda a partilhar com os que nada têm no bolso e na alma.

rosa-branca disse...

Amigo Manuel, acho que a minha alma trinou, nas cordas da guitarra do João. Maravilhoso conto com a mestria da sua alma. Adorei. Obrigado por regar as minhas rosas, que por vezes se esquecem de beber. Bom Ano novo com muita saúde, paz e muito amor. Beijos com carinho

Smareis disse...

Uma História belíssima Manuel.
Desejo um Ano Novo repleto de realizações!!! Muita saúde e muita paz!
Beijos!

░F░E░L░I░Z░ ░A░N░O░ ░N░O░V░O░!!

© Piedade Araújo Sol disse...

Obrigado pelas visitas ao longo do ano de 2013.

Desejo um Ano Novo muito feliz pleno de inspiração paz e boas histórias como esta.

beijos

:)

Evanir disse...

Com muito carinho venho desejar um abençoado ano novo,
que as ooo hora do dia 31 de Dezembro entraremos em 2014 deixando
alegrias , tristezas , dores , saudades na virada de mais um ano.
Deus nos cubra com seu manto de cura e nos envolva
de carinho para mais 365 dias e 8 horas de felicidade plena
de realizações sonhadas para nossas vidas.
Um abraço carinhoso mil beijos de pura amizade.
Amigos para sempre :A viagem.
Evanir..

LUZ disse...

FELIZ ANO NOVO, COM SAÚDE, PAZ, MÚSICA INTERIOR E MUITO AMOR.

Um beijo, com muita amizade.

O tempo das maçãs disse...

Uma história bonita, onde o amor e a compaixão pelo outro faz a diferença.

Bom início de ano, querido.

Beijinhos.

JP disse...

Como só agora regressei, venho desejar um feliz ano novo cheio de coisas boas, com saúde, alegria e paz à frente de tudo.

Abraço

AFRICA EM POESIA disse...

Manuel meu amigo

obrigada pela visita ao meu blogue

é com carinho que vos vejo por aqui e sinto uma alegria grande.

2013 foi dificil pois tenho tido o marido gravemente doente e passou as festas natalicias internado no Hospital no Porto
não ´tem sido para mim nada fácil pois tenho que me desdobrar e ir todos os dias ao Porto e o medo e a aflição têm-me feito companhia permanentemente.
ontem achei-o melhor e espero que esta etapa se vença com êxito.

mesmo assim venho desejar um ano 2014 igual ao que desejo para mim ..muitoa amigos verdadeiros e muito saúde..

um beijo grande..