domingo, 3 de janeiro de 2016

Refúgio





Resultado de imagem para casa no campo





Eu tenho um pequeno refugio, fora do ambiente
da cidade.

Pequeno, no meio do nada, escondido entre as arvores, que me sujam o chão, com as folhas que se renovam mas que me perfumam o ar.

À noite, no céu, há estrelas que brilham de uma forma diferente.

Perco-me nessa meditação, deixo os meus olhos, embebedarem-se, na profusão de luz e brilho.

Procuro encontrar as que me pertencem, sim eu tenho as minhas estrelas, as que partiram, daqui, e brilham lá em cima.

Não sei quais, mas elas sabem e tenho a certeza, que são minhas e que sentem que as procuro na imensidão.

Nas tardes, sento-me, num velho banco de jardim, e vou deixando, aqui, os meus pensamentos, enquanto um carreio de formigas vai e vem, não sei donde ou para onde, mas andam numa fila, numa missão secreta, e que não contam a ninguém.

Nas velhas arvores, os pássaros poisam, guerreiam e saem em enorme algazarra, como se o espaço fosse insuficiente para tão grande frenesim.

Quero escrever, mas o idílico que me rodeia, em vez de me inspirar, consegue levar o meu pensamento pelos pequenos nadas, que tanto preenchem um entardecer mágico.

É um besouro, não sei porque mas está virado, como se o mundo  estivesse ao contrário. Esperneia, tenta, mas as pernas curtas não ajudam. Depois pára, fica estático a recuperar.
De repente, quase por milagre, deu a volta e continua, num andar desengonçado, até que desaparece no meio das folhas caídas.


Quando o Sol se põe, no horizonte, os grilos enchem o espaço. Detesto grilos, quebram-me o silêncio, arrepiam-me os ouvidos. Tem todo o dia para aquele, esfrega-esfrega, mas não, ficam quedos e, ao fim do dia, tomam conta dos sons, abafam a quietude, por isso os detesto.

Detesto os grilos e os galos, são cúmplices no ruído. Uns não me deixam adormecer os outros obrigam-me a acordar.


Agora compreendo o aparecimento dos capões, abençoada ideia, penso eu, porque não sou galo.

Mesmo quando chove, como hoje, e me obriga a passar o dia a espreitar a janela e a escutar o tamborilar das gotas nas telhas, não me arrependo, do momento, e desejo a manhã, para acordar com o cheiro mágico da terra molhada.

De manhã, a chuva, é apenas uma leve neblina. Visto uma capa e vou ao forno, comprar o pão acabado de sair.


Sim, ainda existe, forno de lenha e pão estaladiço, que transportamos num saco de pano, como antigamente.


Nas ruas cumprimentam-me, sem saberem, ao certo quem sou, mas conhecem-me e pensam “É o que tem a casa ali, ao fim do caminho”
Mas oiço uns bons dias, simpáticos e verdadeiros.

O pequeno-almoço é diferente, ao ar livre numa enorme mesa de tampo, de mármore, redondo. Começa no pão que recebe a manteiga e a derrete no calor que ainda lhe resta, o queijo que vou comprar naquela senhora que os faz e os vende, se calhar sem autorização das autoridades, mas autorizada por mim e por todos os que ali vão. O café? Bem o café é igual, é café fumegante, igual a todos os outros.

Depois, é o sujar as mãos, mexer na terra, aconchegar as raízes, arrancar as daninhas, regar as árvores e falar com as plantas, falar muito, elas gostam.


Quando acabo, tenho que cortar as unhas, até que o encardido da terra desapareça. Custa um pouco, mas a escova e o sabonete fazem o resto. Podia, é verdade que podia, usar luvas, mas não uso, não sei trabalhar com elas.

É pouco, mas enchi os pulmões de ar puro, cansei saudavelmente o corpo, purifiquei o espirito e senti, quase como, um regresso às origens.



Amanhã recomeça a rotina.







21 comentários:

Flor de Lótus disse...

Oi,Manuel!Td bem?Saudades de vir aqui. Me passa um e-mail teu pra contato o meu blog acho que vou desativar,mas não queria perder o contato contigo. Sempre precisamos ter um refúgio mesmo que não seja uma casa, pode ser um lugar pra onde a gente possa fugir e se sentir bem. Adoro essa música do Vinicius música da minha infância, faz pouco que soube que a música é do Vinicius de Moraes.
Uma ótima semana! que 2016 seja um ano repleto de alegrias, paz,amor, saúde e prosperidade!
Se preferir me escrever sibele.costa@gmail.com
Beijosss

Blog da Gigi disse...

Feliz Ano Novo!!!!!!!!!!! abraços

Manuel disse...



19:42
Google+ (Luis Coelho)
Re: Que esse skate te leve com muita amor e ...
Tu não sabes Manuel, mas eu guardei-o. São coisas que me fazem viver. Agora não tenho pernas nem
Re: Que esse skate te leve com muita amor e ...
Recebido
G
Google+ (Luis Coelho)
para para mim
Há 14 minutosDetalhes

Tu não sabes Manuel, mas eu guardei-o. São coisas que me fazem viver. Agora não tenho pernas nem equilíbrio para fazer aquelas habilidades.
Responda a este email para comentar publicamente no Google+. Ou veja a mensagem »
Responda a este email para comentar. Luis Coelho comentou a sua mensagem. Ignore Luis Coelho para deixar de receber notificações dele. Ignorar atualizações desta mensagem. Esta notificação foi enviada para manuelpenteado@gmail.com. Aceda às definições de entrega de notificações para atualizar o seu endereço. Anular subscrição destes emails.
Sugestão de privacidade: proteja as suas informações. Remova a assinatura do email antes de responder.
Google Inc., 1600 Amphitheatre Pkwy, Mountain View, CA 94043 USA

Responder
Encaminhar

Gina disse...

«Quero escrever, mas o idílico que me rodeia, em vez de me inspirar, consegue levar o meu pensamento pelos pequenos nadas, que tanto preenchem um entardecer mágico.»

'Sofro' imenso disso, mas o Manuel preencheu para aí meio metro do meu ecrã com a sua poesia. Pareceu-me autobiográfico. Diga-me: é?

Beijinhos

Cristina Sousa disse...

Olá Manuel,

Como é tão bom ter um refugio, eu também tenho o meu.

Beijo e feliz semana

Gracita disse...

Olá Manuel
Um refugio assim tão encantador onde se possa vislumbrar as estrelas num momento de magia e esplendor. E como é bom ter um cantinho assim... tão nosso, tão peculiar e que tanto bem faz ao corpo e à mente.
Uma abençoada semana
Um abraço

Maria Luisa Adães disse...

Que situação tão bela

Até se sentiu chegar às origens!

Ano Novo Feliz!

E tentemos passar mais um ano!


Maria Luísa

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Os "nossos" sítios, são (mesmo) únicos para satisfação nossa e reparação das maleitas da Alma. Ali pode-se desfrutar dos silêncios e detestar o "grilhar" que incomoda.
Gostei desta variação, Manuel.
Desejo-te um Ano magnífico dentro, ou ao redor, do teu Refúgio de Paz.

Abraço
SOL

Bell disse...

Muito bom ter um refugio assim, ano novo eu tive o prazer de passar o dia em um.
A natureza traz paz e alegria.

Um Feliz 2016.

São disse...

Que maravilha esse refúgio...

Bom Dia de REis, meu caro Manuel, e feliz 2016

H disse...

Manelamigo

I know a dark secluded place.
A place where no one knows your face.
A glass of wine a fast embrace.
It's called Hernando's Hideaway ole!


Poizé, fizeste-me lembrar o esconderijo do Fernando (tradução literal). É que na verdade todos temos um hideaway onde estamos só nós, e que ninguém nos encontre nele. É mais ou menos isto que nos contas - bem contado como habitualmente - e que nos deixa a pensar: onde será o teu hideaway? Gostas dele? - pergunta parva...

Abç do Leãozão (0-6 nos salmonetes...)

Henrique Antunes Ferreira disse...

Manelamigo

Todos nós temos o nosso hideaway... Fizeste-me lembrar com este conto - que, como habitualmente contas bem... - o esconderijo de Fernandes [tradução literal... :-)))]

I know a dark secluded place.
A place where no one knows your face.
A glass of wine a fast embrace.
It's called Hernando's Hideaway ole!


Muito bem. Gostei. Muito.

Abç do Leãozão (0-6 aos salmonetes; ninguém nos para...)

____________

SÃO - (Peço uma vez mais desculpa ao Manelamigo)

JÁ AQUI DEIXEI O CONVITE PARA VISITARES E COMENTARES http://atravessadoferreira.blogs.sapo.pt

E SE QUISERES SABER O MEU NOVO IMEILE: henrique20091941@sapo.pt

COMO NÃO ME LIGASTE PEVA NÃO TE TORNO A CONVIDAR. CREIO QUE NÃO TE INSULTEI, CHATEEI, OFENDI , PRESUMO QUE ESTÁS ZANGADA COMIGO. MAS ERA A ÚNICA FORMA DE TE CONTACTAR. PAASSA BEM!

PENSO QUE SABES OU TE RECORDAS - QUEM EU SOU...
Henrique, o Leãozão



Rita Sperchi disse...

🍀 Passando para mais uma vez elogiar
o que vc tem de bom por aqui, estou de volta
e espero que esteja sendo bom seu começo de ano
Deixo um abraço de bom final de semana
Bjusss

└──●► *Rita!!

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite Manuel.
Que lugar lindo, passar dias em um lugar assim e renovar a alma rsrs, eu lhe desejo um feliz 2016. Um enorme abraço.

Carmem Grinheiro disse...

Olá, meu caro Manuel.
Ter um refúgio assim, que nos leva à terra e ao que ela tem: vida! Para pessoas que têm a emoção na ponta dos dedos, é bom sentir os cheiros, ouvir os sons (mesmo de grilos e galos azucrinentos) que nos lembram que a felicidade é simples, a vida da gente é que a torna complicada.
Aqui, onde vivo, encontro um pouco desse refúgio, embora, por vezes, nem esse (o refúgio) seja suficiente para acomodar minhas inquietações.

Deixo-lhe um abraço e os votos de que se encontre bem.

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite meu querido amigo Manuel.
Não faz ideia da saudade que tenho no caro amigo, em ler as suas historias que tanto me fazia bem, de interagir com uma pessoa tão querida como você, um amigo como você sempre guardamos no coraçao, eu lhe desejo um més de abril de muito sol, de dias de pura felicidades. Enorme abraço.

Vivian disse...

Ah! Meu amigo!
Que prazer imenso ler este texto! Me transportou para o lugar, minha imaginação sempre faz isso comigo, me leva sem eu perceber para dentro dos textos que leio e vejo como se fosse um filme. Gosto muito das coisas simples, da beleza da natureza, do contato que nos enleva e enriquece.
Beijos e meu carinho!

A Casa Madeira disse...

Nossa amei... vou voltar aqui pra ler novamente.
Oi Manoel as vezes as imagens falam mais que palavras; e por
aí tem tanta coisa linda pra se mostrar;
Uma hora dessas sacode a poeira e nos mostra esse lado de lá...
Então sempre que passar pela casa... deixa um oi!!!
Abraços.
janicce.

Carmem Grinheiro disse...

Meu querido amigo Manuel,
que tão longe vai o tempo em que trocávamos "visitas" e a vida decorria, com seus percalços, problemas, alegrias, dores e tristezas intercaladas pela escrita, mas o blogue nunca era deixado de parte...
Também não tenho sido tão assídua como gostaria no meu pequenino espaço, nem tenho correspondido à vontade de visitar os amigos com a mesma presença plena de sempre, mas a vida exige de nós mais do que o que conseguimos responder, o tempo passa e... quando damos conta, já passou tempo a mais e nada do que é o é da forma como desejávamos que fosse.
Hoje, ao passar no espaço da nossa querida Helena, a ler o pedacinho que ela dedicou-lhe, apeteceu-me, uma vez mais, vir lhe deixar uma palavra. Mesmo sabendo que decidiu-se definitivamente à cessação, gosto de vir lhe deixar um abraço com o desejo de que esteja bem, junto daqueles a quem quer bem.
o meu abraço amigo

A Casa Madeira disse...

Passando para dar mais uma olhadinha...
E dizer que já tem post novo lá na casa.
Bom começo de mês.
Abraços

CÉU disse...

Olá, estimado Manuel!

Então, como vai? E a família? Este ano está a ser melhor do k o anterior, pelo menos de início? Deus queira que sim.
Por aqui, tudo igual e satisfatório, em todos os aspetos.

Calculo que já tenho olhado o seu blogue, lateral dta. e visto que já escrevi um novo poema, umas coisinhas e colocado mais um vídeo, como habitualmente, e agora estou a lembrar-me de k poucas vezes o Manuel falou da música, que coloco. Bem, provavelmente, não fará o seu género musical e isso aceito, perfeitamente. Diga-me, se desejar, se gosta ou não do vídeo que coloquei desta vez. Mto obrigada!

Beijinhos e vamos ter uma semana de solinho, mas na outra, vai chover.