terça-feira, 18 de novembro de 2008

Que fazer?



Há na vida tantas vidas que se torna difícil escolher a que mais nos marcou.
Começamos como um embrulho que corre de braços em braços. Temos que ouvir
toda a espécie de baboseiras. Menino lindo, tal e qual o pai.
Depois é tragar todas as canções com que nos querem embalar. Papão vai-te embora de cima desse telhado. È terrível o que temos que aturar, por isso é natural que quando vamos crescendo comecemos a bater mal.
A seguir vem aquela idade dos porquês. A idade em que não nos sabem explicar tudo.
Em que nos dizem apenas o principio e deixam à nossa imaginação o resto. Depois ficam irritadas porque repetimos os porquês? Porque não dizem tudo! Uma criança precisa de perceber e saber porque. Se dizem que o céu é azul sem dizer porque. Podia ser verde, não podia?
Ficamos mais crescidos e já não precisamos dos cotas para nada. São velhos e pouco sabem. Escondem as coisas que nós conhecemos melhor do que eles. Sabemos mais de computadores de telemóveis e playstation de que qualquer pai ou mãe deste mundo.
São mesmo uns atrasados moralistas. Não chegues tarde! Cuidado com os rapazes! Tem cuidado com as raparigas, pois elas querem todas o mesmo. Mas o mesmo o que? Nós conhecemos melhor as gajas do que todos os pais juntos. Que seca!
Conseguimos, apesar de tudo, sobreviver e começamos a ser crescidos. Não tarda começa o suplicio do entra ou não entra para a Faculdade. Os meus filhos têm que ser doutores. Não interessa de que, mas tem que ser doutores, ou engenheiros ou arquitectos. Não quero que sejam como eu, desgraçado que toda a vida trabalhou para os outros a encher o cu aos patrões.
Vão ser doutores e pronto.
Que importam que vão trabalhar para a caixa de Supermercado ou atender telefone num call center, mas são doutores.
Curso acabado ou não, começa o inferno. Manda curriculum, vai a entrevista, mete cunha. Nada, tem habilitações a mais, ou, as suas habilitações não servem.
Que fazer? Tenho uma licenciatura, eu sei que o nome é esquisito e que só quem tem o curso a conhece, mas é uma licenciatura, Pronto!
Que hei de fazer? Vou continuar a viver a conta dos velhos, que afinal sabem mais do que eu pensava. Até que o velhote é “bué da esperto” e a velha tem cá umas mãos!
Que seca, não foi para isso que eu vim ao Mundo.
Que fazer?

1 comentário:

Filipinha disse...

e não é que mesmo com o tal do curso superior eu já trabalhei em supermercado e call center??

e não que sou Drª porque os meus Pais acharam q eu tinha de ir para a faculadde??

E não é que estive a ler o seu texto e a dizer que sim com a cabeça...??

Que visão tão correcta! é que é mesmo assim... ahahahah