quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Mulher de sonho?




Tinha algo que a tornava diferente, não sei bem se a cor indefinida dos olhos, os fulgurantes cabelos ruivos ou se aquele ar de ingenuidade que a caracterizava.

Não era propriamente linda mas, meu Deus, sempre que a olhava algo encaracolava dentro de mim. Sentia um formigueiro subir pelas pernas e o coração acelerava de tal maneira que tinha que fechar a boca para ele não saltar.

Andei assim algum tempo, confuso, sem saber o que fazer. Como sabem eu não sou homem de me encolher, gosto de ir à luta e quando uma mulher bule comigo eu ataco logo.

Mas agora era diferente, havia um conflito dentro de mim. Eu queria mas a vontade entorpecia os movimentos e ficava quedo a contemplar.

Queria ir à contenda, cortejar, usar todo o meu charme, fazer aquele olhar que as deixas loucas mas, uma paralisia se apossava de mim e não me deixava avançar.

Hoje passou e sorriu, um sorriso mesclado de sedução e desafio. Fiquei com uma tremedeira que me paralisou e limitei-me a vê-la bamboleante numas apertadas calcas de ganga em dança que deixavam um refego a dividir dois hemisférios bailando ao som de bater do meu coração.

Sonhei com ela, lasciva, avançando com os lábios húmidos de desejo e o corpo em oferendas de prazer. Senti as suas mãos percorrerem o meu corpo em espirais de carícias. Deixei-me enredar nos afagos loucos do seu calor. Corpos colados numa amálgama de loucura e prazer, emoções, desejos loucos. Tremores, suspiros abafados no calor húmido do desejo. Movimentos descontrolados, seivas brotando, rebentar de voluptuosidade num ritmo louco da voracidade do desejo. Ondas de fogo ardendo em explosões de vida.

Acordei em agonia e num estado lastimoso. Um duche recuperou o corpo.

Ao pequeno-almoço a minha mãe olhou-me daquela forma que só as mães sabem olhar.

-Rui que se passa contigo? Estás estranho! Queres falar com a tua mãe?

Fiquei embaraçado mas arranjei coragem para dizer:

-Mãe, gosto muito duma rapariga!

-E isso é mau? Perguntou ela.

-Sabes mãe, é muito bom mas eu não arranjei coragem para lhe dizer nada. Ando perdido, sonho com ela, ando com ela na minha cabeça, mas não fui capaz de ir além disto.

Olhou-me com um ar tão trocista que me senti, quase, envergonhado.

-Rapaz, que se passa? Estás mesmo apaixonado! Quem é essa rapariga?

-Não sei muito bem, só a vejo passar por mim todos os dias. Mora naquela casa amarela ao fundo da nossa rua. É uma ruiva linda, sensual, cara de anjo e com um sorriso lindo.

A mãe olhou-me de uma forma muito misteriosa. Aguçou a voz e disse-me:

-Ainda te lembras do Gonçalinho? Aquele rapar que foi há, para aí, dois anos estudar
para Londres?

-Mãe o que tem a ver o Gonçalinho com esta mulher linda que se cruza comigo todos os dias comigo?

-Tem muito a ver e sabes porque? O Gonçalinho voltou, agora chama-se Raquel mas julgo que continua a ter entre as pernas a mesma coisa tu.




9 comentários:

Lua Nova disse...

Qualquer forma de amor vale a pena... rsrsrrsrsrsrsrsrsrsr...
Sensacional o texto.
Adorei o blog e gostei muito de um comentário teu no blog de sonhadora. És um homem sensível e inteligente.
Beijokas.
Seguindo...

Sonhadora disse...

Meu querido Manuel
Hoje também te venho só agradecer o carinho que deixas sempre nas tuas palavras.

Beijinhos
Sonhadora

Luna Sanchez disse...

Ai, que desilusão, Manuel...rs

Gonçalinho voltou literalmente refeito pelos ares londrinos, né?

=)

Muito bom!

Beijo, beijo.

ℓυηα

SDaVeiga disse...

LOL!!!
Que é como quem diz: AHAHAHAHAHAHAHAHAH!!!

Já não chegava a parte da modéstia do artista ("fazer aquele olhar que as deixa loucas") e o momento de confusão em que saiu mão em vez de mãe (ó p'rá minha mente perversa a funcionar a 300 à hora!!!), ainda vem o Gonçalinho arrancar umas senhoras gargalhadas desta alminha!!!

:D

Entre esta e aquela da égua lusitana, fico na dúvida qual será a mais castiça, mas que esta me apanhou mais distraída, lá isso...

Boa Manuel!!!
Ainda bem que já recuperou o ritmo, para termos sempre coisas boas e bonitas para ler!!!

Ah, e a mãe deve estar enganada porque, se as calças de ganga assentam assim tão bem, então já lá não anda nada de volumoso de certezinha!!! ;P

AFRICA EM POESIA disse...

MANUEL
Adorwei a história...

é mesmo a evolução dos tempos.
Para ti...

a tomar notas e a correr
Venho deixar um beijinho


NOTAS SOLTAS



Notas muitas notas...
Soltas e não só...
E eu, vou tomando notas...
Para um dia poder recordar...

Tomo notas, do céu e da terra...
Da lua e das estrelas...
E vou tomando notas...

Com o coração a bater...
E com o sentir da vida...
Do mundo e de ti...
E continuo a tomar notas...

E nestas notas, escritas por mim
Eu escrevo também para ti...
E debruço-me sobre os meus braços
E... continuo... a tomar notas!...

LILI LARANJO

Magia da Inês disse...

Querido e estimado amigo!...
Você é demais!!!
Não tomas jeito mesmo... sempre surpreendente e malicioso...
Essa malícia é tudo de bom!!!
Parabéns pela criatividade!
Você faz milagres com histórias que nem tomaríamos conhecimento no dia a dia...
Adoro ler tudo que você escreve...
Bom fim de semana!
Beijinhos carinhosos.
Dila
Brasil

acácia rubra disse...

Confesso que esperava tudo menos este desfecho.

beijo

Sandra Botelho disse...

Gonçalinho...
Meu Deus que mudança,
Bjos achocolatados

Solange disse...

Manuel,

você me fez sorrir... é o mundo moderno...

adoro essa sua prosa...

beijo grande