quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

A Jura





A vingança não se serve. Apenas serve. (Mia Couto)



Não esperava o murro e o seu corpo tombou pesadamente com o rosto a bater com estrondo nas pedras da calçada.

O sabor a sangue invadiu-lhe a boca, uns zumbidos irritantes povoaram-lhe o cérebro.

Quis fazer um movimento para se levantar mas estava descoordenado e apenas o instinto o levou a desviar a cabeça dum pontapé.

Sentiu no ombro o impacto da bota.

Ficou numa prostração total, apenas ouvia os sons intervalados de mulheres gritando, de correrias, de homens agitando a bandeira da harmonia.

Não soube quanto tempo esteve naquela doce prostração. As ideias desconcertadas passaram como filme em câmara rápida. Viu as lutas na escola, o medo, as tareias com que os mais velhos o mimoseavam diariamente.

Lembrou-se da promessa que havia feito a si mesmo. A jura de nunca mais se deixar bater. De morrer, se necessário, mas de nunca mais ser o bombo de ninguém.

Agora estava vencido, dorido, com a sangue a empapar uma boca magoada. Tinha os pensamentos embotados. Estava confuso.

Levantou-se a custo, numa bebedeira de sons que lhe povoavam o cérebro. Olhou com a vista enevoada o agressor seguro pelos braços fortes do Aguinaldo e do Ramires.

Agarrou-se á parede para ajudar o equilíbrio que lentamente ia recuperando. Devagar foi-se aproximando até ter a sua cara encostada á face de quem tão cobardemente o agredira.

Rapidamente puxou da faca com que amanhava o peixe e por sete vezes a fez entrar no corpo do inimigo, sentiu a sangue jorrar e o gemido do porco na agonia. Os braços fortes não aguentaram o peso da morte e deixaram o corpo tombar e bater com força no basalto da calçada.

Olhou a posição grotesca do cadáver, mirou todos os que o rodeavam e disparou num choro convulsivo.

Estava vingado.

Tinha cumprido a promessa.

Tinha jurado que nunca mais ninguém lhe ia bater.

Nunca mais !


6 comentários:

Vivian disse...

Bom dia!!

Que texto!!
Mas penso que a vingança só traz mais vingança, assim como violência gera mais violência!!
Devemos lutar, mas como Gandhi!
Beijos!!
Boa semana!!

Elaine Barnes disse...

As pessoas vão permitindo que lhe batam e tornam-se uma panela de pressão;um dia explodem de vez e vingam todas as surras de uma vida,um paga por todas.Belo txto amigo! Montão de bjs e abraços

Magia da Inês disse...

Ahhhhhhhhh amigo!...
Que triste!!!
Que vontade de chorar!
.♫♫° ·.
•♫♫•.¸ღ¸.•♫♫•.¸
°º♫ Beijos do Brasil

AFRICA EM POESIA disse...

Manuel
Vila Real Correu bem Mesmo com frio neve e muita chuva esteve tudo muito bem

Hoje no Porto também esteve tudo bonito.
Gostei do texto como sempre para ler e pensar...


beijos
Um beijo

SDaVeiga disse...

Já cá tinha vindo ler, mas na altura não consegui comentar de tão atarantada que fiquei...

Eu sei que isto é como com os actores: fazer de vilão de forma convincente é muito mais difícil que de bonzinhos.
Ou seja, compreendo que escrever coisas tenebrosas é mais difícil que escrever coisas bonitas, mas, como ainda não estou a esse nível, confesso que me custa ler algo assim escrito por si.
Mas está bem escrito, tanto que me deixou assim... :-S

Boa semana e que a próxima seja algo mais alegre.

Sandra Botelho disse...

Mas agora ele sofrerá com a dor da culpa...E vai continuar apanhadno por toda a vida. Só que agora dele mesmo.
Que texto forte meu querido.A vingança é uma espada de dois gumes. fere a vitima é o reu.
Bjos achocolatados