quinta-feira, 12 de abril de 2012

O Avejão






Confesso que não sei como aconteceu e até posso acrescentar que tenho duvida que tenha, mesmo, sucedido.

A verdade apenas esta alicerçada nas conversas que, na minha infância, ouvia aos serões á volta duma braseira, numa aldeia alentejana, perdida na raia de Espanha.

Os mais novos, curiosos, escutavam todas as peripécias que os avós iam contando, embora sabendo que na altura de ir para a cama estariam “borradinhos” de medo.

Foi há muitos anos e a memória apenas me deixa recordar que era uma noite muito fria e todos se encontravam à volta da mesa redonda onde, debaixo das saias, uma enorme braseira nos mantinha num conforto agradável.

Uma das mulheres, Dona Tomásia, jurava ter visto um avejão, nunca soube bem o que era isso, mas só o nome me infundia muito respeito.

Dizia ela:

-Vizinhas, uma noite ao sair da casa, da minha Zezinha, estava ele prantado na esquina mesmo no cruzamento, ao pé da venda do Isidro. Fiquei mais gelada que um rajá. Era grande, com uns olhos relampejando luzes encarnadas, coberto por uma capa mais negra que uma noite tenebrosa e lançando, pareciam, pequenos urros.

Fiquei, tão paralisada que queria voltar e não conseguia, os pés estavam colados ao chão e não arranjava maneira de os mexer.

Dona Perpetua deu um pulo na cadeira antes de gritar:

-Credo mulher e que aconteceu depois?

Fez-se um silêncio, quase sepulcral, ouviam-se os corações em batimento acelerado, os mais pequenos pregados, nas cadeiras, estavam boquiabertos de pernas bem cruzadas não vá o diabo tece-las.

O som do silêncio doía dentro de nós, todos olhavam de banda, como se a tal criatura pudesse estar ali, mesmo, ao nosso lado.

Dona Perpetua não aguentou mais, deu uma punhada na mesa e gritou:

-E depois, mulher e depois?

Dona Tomásia, aclarou a voz e assumiu a importância do ato:

-E depois? Depois não sei, desmaiei!



16 comentários:

Gina G disse...

A meio do texto pensei que o Manuel ia contar da primeira vez que um automóvel apareceu na sua aldeia... :)

O meu pai conta o espanto que foi quando viu um automóvel a primeira vez, ficou tudo maluco, boquiaberto, sem reação.

Fátima disse...

kkkkkkk
Bjs.

acácia rubra disse...

Até eu desmaiaria por muito menos...

Esta visão fantasmagórica faria as delícias num filme de terror.

Contente por si e por estes fins inesperados...

Um beijo

Bloguinho da Zizi disse...

Ai Manuel
Estou aqui rindo da tua história.
Eu sempre fui medrosa quando criança, e se tivesse escutado isso, com certeza passaria uma semana tremendo de medo, achando que o avejão estava à espreita.
Boas lembranças, não é?

SOL da Esteva disse...

Manuel, Meu Amigo

Suspenso desta narrativa, recuei aos velhos tempos das conversas havidas á roda da lareira.
Depois, contavam-se as mais incríveis histórias sobre Avejões e outros seres.
Ficava-se de cabelos em pé e as sombras da noite (nessa noite) eram aterradoras.
É o Bicho?... Bem podia ser verdade! Quem sabe?
A Dona Tomásia desmaiou!...
Como sempre surpreendes-me e isso é bom.

Abraços

SOL
http://acordarsonhando.blogspot.pt/

SDaVeiga disse...

EhEh, esse é o meu tipo de heroína!!! :-D

Não quero nem imaginar a qualidade de pesadelos que as crianças tinham... :-S
Pelo menos já se sabe donde vem a tua tendência para os sonhos nas histórias!!! ;-)

Beijinhos e bom fim-de-semana!

Magia da Inês disse...

♫♫°º Olá, amigo!
¸.•°`♥✿⊱╮
Essa é boa!
No melhor da história, um desmaio?
Bom fim de semana!
Beijinhos.
Brasil
º°❤.•°º╮

Vivian disse...

O medo é um sentimento muito estranho!rs Causa as mais imprevisíveis reaçõe!Narrativa maravilhosa,meu amigo!!Nos prende até o fim!Sempre com uma surpresa!
Não sou muito corajosa(ou sou?!),mas sempre fui fascinada por histórias de terror,de fantasmas.Minha vó me contava muitas, o que me deixou dormindo de luz acesa por uns bons anos...rsrs
Hoje em dia, quando desço do ônibus estudo à noite,para cuidar dos meus filhos de dia),venho praticamente "voando" de tão rápida!rsr E sempre me vem a mente uma destas histórias.
Mas não desmaiaria.Sou mais de enfrentar.Beijos!!!!
Bom final de semana!

Janita disse...

Olá Manuel!
Feliz por ver que continua connosco! Nem tive ânimo para comentar o post em que nos dava conta da sua intenção de partir, Como também ando a padecer do mesmo mal, preferi ficar a aguardar.
Esta sua história fez-me recuar aos meus tempos de menina. Como sabe, também sou alentejana e um dos temas das conversas dos adultos que mais me fascinava, eram essas que se contavam sobre os avejões.
A verdade é que nunca era a pessoa que contava que tinha visto tal aparição. Era sempre algum parente já falecido...e tudo acontecia lá para os lados das muralhas do velho Castelo. As histórias fascinavam-me mas nunca lhes dei muito crédito, fui sempre um pouco como S. Tomé!
Ainda hoje quando algum dos meus filhos me aparece de mansinho e me assusta, eu digo:
Credo...até parecias o "escarapanto da muralha"!
A sério!
Um beijo, Manuel.

rosa-branca disse...

Olá amigo Manuel, coitada da dona Tomásia não ganhou para o susto. Antigamente como não havia televisão era à volta da lareira que se contavam sa histórias mais diabólicas, que até a gente miuda ficava com medo. Hoje já não há histórias e até o medo quase se perdeu. Como sempre adorei a sua história. Beijos com carinho

Palavras disse...

Manuel, caro amigo

eu adoro os seus casos. parece até que voce vive aqui, no interior de Minas Gerais.

Grande abraço

Leila

Parole disse...

....na altura de ir para a cama estariam “borradinhos” de medo.

kkkkkkkkkkkk

e nessa me incluo, Manuel.

Uma leitura deliciosa e o vídeo, que não conhecia, me pareceu também bem assustador.kkkkkk

Beijo, querido.

Smareis disse...

Oi Manoel,

O medo é terrivel, consome a nossa alma.
Abraço amigo!

Ótima semana!

✿ chica disse...

rssssssss...desmaiado? Que lindo conto baseado nas falações da infância..Lindo de ler,como sempre!abração,chica e tudo de bom!

Jacque disse...

Manuel ... Obrigada pela visita no Blog ...
Boa semana ...


Beijo

Flor de Lótus disse...

Olá,Manuel!Cheia de suspenses essa história,aff então ela desmaiou achei que ela tinha sido abduzida,kkk.
Beijos e adorei a música escolhida =)