quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Quase perfeita...






Estava sentada num banco junto à muralha, pernas delicadamente cruzadas.

Era uma posse estudada, pois o brilhante bronzeado, descaindo de uma curta saia e terminando numas sandálias vermelhas, era motivo para muitos olhares.

O rosto, parecia, perfeito pois uns enormes óculos de sol escondiam a maior parte, mas deixavam ver uns lábios carnudos onde, um leve carmim, contrastava com uma blusa branca atada de forma, quase, displicente deixando perceber dois hemisférios, tão bronzeados como as pernas.

Estava serena, contemplando o mar, como se mais nada existisse em seu redor.

Elias estava vidrado, a visão daquela deusa era superior a tudo o que alguma vez tinha imaginado.

Era linda, de uma beleza calma e tranquila.

Os homens passavam num embasbacamento, misto de admiração e desejo, as mulheres não deixavam perceber mas transpiravam uma inveja difícil de disfarçar.

Aproximou-se quase como se flutuasse e, consegue jurar, que apenas queria ver mais de perto a obra perfeita do criador. Muito timidamente perguntou:

-Posse sentar-me, aqui, no banco?

Sem mudar um milímetro, nem o rosto mexeu, respondeu:

-Caro senhor, o banco é público e desde que tenha lugares, pode estar à sua vontade!

Elias ficou sem jeito, queria replicar mas a frase ficou como que enrolada na garganta. Olhou ao longe tentando esconder um certo constrangimento, mirou o mar que, calmamente, se desfazia em espuma contra as rochas. Ganhou coragem para retorquir:

-Peço perdão, quis apenas ser delicado, não tome as minhas palavras como uma tentativa de nada, só quis partilhar o gosto por observar o mar.

A moça, sem alterar a posição sorriu:

-Mas não tomei a mal a sua pergunta, achei natural, mas eu não observo o mar, apenas o escuto, sinto o seu cheiro e aqueles sons que apenas, ele, nos sabe transmitir.

Hoje já tenho a minha parte, não tarda vai arrefecer!Boa tarde cavalheiro!

Ergueu um braço num gesto de quem chama alguém.
Um senhor, que pareceu surgir do nada, deu-lhe a mão e encaminharam-se para um descapotável prateado.

Elias nem teve tempo de responder, foi tudo tão rápido. Uma meia despedida, um gesto e um homem que aparece como se sempre ali tivesse estado.

Não devia ser marido, não tinha aliança e era demasiado velho e demasiado formal.

Seria motorista? Era isso, ainda há pessoas que têm, também, dessas coisas. 

******

Elias ficou naquele desespero, que é um misto de impotência e de aselhice, primeiro porque não sabia o que fazer e depois, porque não soube reagir e tentar saber algo mais, sobre a moça que o perturbara daquela maneira.

Ficou em trivialidades como um pateta, falar sobre o mar! Sim como se fosse o mais importante! Nem lhe perguntou o nome.

O mar continuava ali, onde sempre esteve, mas ela foi, quase, numa áurea de mistério.
Era mesmo burro!

Agora só lhe restava a esperança de que um dia voltasse.

Sempre, desde que adivinhasse um raio de sol, ia passear à beira mar e sentar-se naquele banco, talvez Deus o brindasse, novamente, com aquela celestial aparição.

Todos os fins-de-semana, Elias, vestia a sua melhor roupa, salpicava o corpo de Davidoff, o seu predilecto. Uns Ray-Ban, espelhados, davam-lhe aquele ar que, pensava ele, o deixava irresistível.

Andava no cais num passo miúdo, olhando todos os cantos onde o sol pudesse aquecer os corpos, onde um banco servisse de recanto a quem, com cabelos cor de fogo, olhasse o mar como se nada mais valesse a pena.
De soslaio adivinhava um descapotável que, também, primava pela ausência.

Foram semanas seguidas de desespero. De vez em quando, talvez pela necessidade de não desistir, parecia-lhe ver a mulher mistério mas, quando se aproximava caia na realidade, não era ela.

A frustração começava a fazer parte do seu dia-a-dia, não só por não voltar a encontrar a deusa mas, sobretudo, pela burrice de não ter perguntado algo mais.
Nem sequer o nome!

Para a semana, pensou, ia alargar a procura, todos os dias percorreria o espaço, pois, a meteorologia anunciava sol, o que aumentava a expectativa.

Segunda-feira ia recomeçar a viver a esperança, que aos poucos se ia diluindo, pois a semana estava a terminar e nada que lhe desse animo.

Foi no sábado, um grupo de crianças brincavam numa alegre algazarra e, no mesmo banco, quase na mesma posição, estava a sua diva.

Os mesmos óculos de sol, os lábios com o mesmo brilho de sensualidade.

Uma t-shirt branca, com uns desenhos bizarros, da cor dos curtos calções rosa, davam maior realce ao brilhante bronzeado das elegantes pernas.

Estava tão concentrada no leve e suave bater das ondas que, imaginou, nem deu pela sua chegada.

Ficou quieto, a embriagar o seu espírito no quadro, que estava perante os seus olhos. Meu Deus era uma visão quase divina!

Ia abrir a boca para a desnecessária pergunta, mas ela antecipou-se:

-Não vai pedir permissão para ocupar um lugar vago e que não me pertence?

Sentou-se e esperou que o fitasse mas não, continuava observando as águas como se nada, mais, existisse.

Ganhou coragem para desabafar:

-Porque me castigou? Ando, há três semanas, na esperança de a voltar a ver e só hoje a sorte me bafejou.

Voltou a cara na sua direcção, era linda embora os óculos não deixassem ver-lhe os olhos, sorriu num sorriso que ofuscou, por momentos, o brilho do sol, antes de responder:

-Posso ver melhor o seu rosto?

Ficou vaidoso, fez o melhor sorriso, que não lhe deve ter saído muito bem, abanou a cabeça e foi dizendo:

-É isto que está à vista mas pode ver à sua vontade!

Ergueu umas mãos delicadas, dedos longos, unhas cuidadosamente tratadas. Com suavidade percorreu-lhe o rosto, os dedos deslizaram suavemente na depressão das suas órbitas, deslizaram pela testa e, com vagar, desceram às maçãs do rosto e quedaram-se num leve deslizar no contorno dos seus lábios.

Recolheu as mãos, voltou a olhar o mar e ergueu o braço, naquele gesto que já conhecia.

O senhor apareceu e estendeu-lhe a mão. Levantou-se, olhou-o de frente, sorriu e deixou numa despedida:

-É muito bonito! Foi o que os meus sentidos me disseram, já que os meus olhos, são os deste senhor que me acompanha.

Dirigiram-se para o carro, não era o mesmo, mas tal como o outro, desapareceu suavemente na avenida marginal.

Burro! Gritou. Nem sequer lhe perguntei o nome!




 

20 comentários:

Catita disse...

No fundo o nome nem é o mais importante no meio de tanto encanto. Certamente que iria ter mais oportunidades para falar com ela.

Mary disse...

Mais uma semana de espera, sem nem saber o seu nome, nem se ela irá voltar.

O amor tem dessas coisas!

Manuel disse...

Lúcia Bezerra de Paiva deixou um novo comentário na sua mensagem "Quase perfeita...":

Tanto mistério, deixa a gente presa...Será que ele desistiu?
Interessante, como todos os contos que aqui leio.


Um beijo,Manuel,
da Lúcia

Magia da Inês disse...

Olá, amigo!
Esse "gajo" é "burro" mesmo!!!
Boa sexta-feira!
Ótimo fim de semana!
Beijinhos do Brasil.
♡♡♡♡

SOL da Esteva disse...

Como sempre, Amigo Manuel, os teus Contos deixam-me extasiado.
Parece um exercício fácil, mas jamais conseguiria tal.
Neste, a imagem do sublime acabou por travar os propósitos dum homem embevecido.
Parece ser este o destino, não?


Abraços


SOL

LUZ disse...

Olá, estimado Manuel!

Estou, ligeiramente, cansada.
E porquê? Estive a dançar ao som do vídeo, que colocou no seu texto.
O que eu coloquei, também pode dançar ao som dele, mas slowly.

Então, saia curta, sapato vermelho, enfim... delírio dos sentidos, MUSA.

Adoro o nome, que dá aos seus personagens. São fora do comum: Elias, Tobias, etc.

Pois, a figura que o personagem do seu texto fez, já muitos fizeram e farão. Mas, devo dizer-lhe que é salutar, e ajuda o corpo e a alma.

QUE BOM TER UMA DIVA TÃO PERTO! E DEPOIS A IMAGINAÇÃO DESENCADEIA CENAS E CENAS.

Era cega, mas pelo menos, o tato é o sentido mais apurado dos invisuais, e o Elias que o diga.

Mas, quem tem compromisso tem de ter aliança? E tem de ser mais novo ou mais velho?
Mas que valor tem uma aliança, em termos de afetividade e de fidelidade?

A Madre Teresa e o Beato João Paulo II, sabem que DEUS É AMOR E QUE O DEVEMOS PRATICAR.

Então, fico a aguardá-lo, mesmo sem ser nenhuma musa. Sou Alentejana, então não é tão bom?

Bom fim de semana.
Beijo da Luz, com amizade.

rosa-branca disse...

Olá amigo Manuel, mais um conto que adorei e espero a continuação da história. Aqui meu amigo, percebi a escuridão nos olhos dela e que o mar iluminava. Maravilhoso como sempre e o amigo tem o dom de nos deixar presos à história. Agora, não acredito que ele desista assim. Beijos com carinho

Flor de Lótus disse...

Oi,Manuel!Lindo conto, um daqueles que nos faz ler num fôlego só,é acho que o nome não era o mais importante mesmo.Espero que eles um dia se encontrem novamente e tenha a oportunidade de se conhecer melhor e quem sabe viver um grande amor.
Beijosss

Evanir disse...


Estou a 7 anos na blogosfera : A viagem é o casula
hoje completando 2 anos de vida.
Quantos momentos alegres e triste também
faz parte da nossa jornada.
Deus permita muitos anos de vida para mim e meu blog
um mundo fantástico.
Onde nossas amizades sem face completa de maneira
sobrenatural minha vida.
Obrigada pelo seu carinho por fazer parte da minha caminhada
muitas vezes cansada ou meu caminhar um pouco mais lento.
Hoje deixo na postagem mil carinhos para você
um mimo desse dia feliz.
E o sorteio de mais 2 livros meus não
importa qual Pais será ganhador receberá com certeza com muito amor.
Pode até pensar porque sorteio tantos livros meus não é mesmo?
Por ele ser bom e de alguma forma deixar um pouco de mim para vocês.
Meu eterno carinho.
Um feliz final de semana.
Beijos na alma e no coração.
Evanir.

quem és, que fazes aqui? disse...


Vai continuar, Manuel, não vai? Este conto vai? Ande continue, que estou a gostar!

Beijo

Laura

BlueShell disse...

Perfeito mesmo...e cativa, sem dúvida, como sempre! Obrigada por isso. Um beijo, nestes tempos que passo com alguma mágoa.... Até mais Manuel...

Manuel disse...

Rita deixou um novo comentário na sua mensagem "Quase perfeita...":

¨`*• (¨`•.•´¨) ♡ .•*
Boa tarde desse sábado chuvoso por aqui
Vim deixar um abraço, e dizer que estou
entrando pouco no meu Blog, mas aos poucos
vou parabenizando seu belo trabalho, que gosto
e acho divino
Um final de semana cheio de muita paz, e obrigada
pelo carinho de sempre bjussss
Rita!!!!

Manuel disse...

Rita deixou um novo comentário na sua mensagem "Quase perfeita...":

¨`*• (¨`•.•´¨) ♡ .•*
Boa tarde desse sábado chuvoso por aqui
Vim deixar um abraço, e dizer que estou
entrando pouco no meu Blog, mas aos poucos
vou parabenizando seu belo trabalho, que gosto
e acho divino
Um final de semana cheio de muita paz, e obrigada
pelo carinho de sempre bjussss
Rita!!!!

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido amigo

Mais uma linda história e contada tão do teu jeito misterioso.
Adorei...não sei se terá continuação mas merecia.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

JP disse...

Manuel,
Mais um caso em que as tequillas teriam resolvido o assunto.

O nome? pra que raio queria ele o nome?

Brilhante como sempre

Abraço

AFRICA EM POESIA disse...

Manuel

Vim agradecer o miminho dos parabéns..

foi um dia de temporal terrível eu não merecia um dia assim..
deixo poesia para ti...
O tempo


Vou sacudir o tempo...
Vou sacudir o vento...
Que me leva os pensamentos...
E em troca nada me dá...

Vou sacudir o tempo...
Vou fazer uma aliança...
Vou deixar que me leve...
E continuar a ter Esperança......

E depois desta aliança...
Ou deste contrato falado...
Eu acredito que ele é verdade...
E vai cumprir o tratado...


Lili Laranjo

Sandra Botelho disse...

é o amor é assim mesmo amigo meu...Mas e esse misterio como fica heim? Bjos achocolatados

Vivian Fernandes de Goes disse...

Bom dia,Manuel!!

Quantas saudades meu amigo!!!
Que texto encantador!!! Este rapaz foi fisgado pela aparência,mas como o encanto não se quebrou quando percebeu que ela era cega...bem temos muitas boas possibilidades aí, né?!(Como uma romantica incurável, aposto que ficarão juntos!rs)
Beijos e meu carinho!

ana costa disse...

Espero que o final seja aquele que todas as almas românticas gostariam: "e viveram felizes para sempre"!!!!
bj e um bom fim de semana

SDaVeiga disse...

Mais três semanas e pode perguntar o nome! ;-)

Muito bonito!

Bom fim-de-semana Manuel!