terça-feira, 30 de abril de 2013

O Pai








Nunca lhe passou pela cabeça uma situação destas, era impossível pensar que agora aos 35 anos lhe queriam mudar a vida.

Viveu, quase sempre, numa espécie de miséria envergonhada, num misto do parece e do faz de conta.

As dificuldades eram imensas, as refeições eram um entremear de açordas e de sopas de feijão, durante o Inverno, e de gaspachos com um pedaço de conduto, durante o Verão.

Poupava em tudo, se é que não ter, se pode considerar poupar.
Banhos só de água fria e apenas um sabonete para desencardir as partes mais necessárias, a pasta de dentes tinha que servir, apenas, para tirar o sabor estranho da espuma do sabonete.

Na rua a aparência era importante, as pessoas avaliam a apresentação, era preciso parecer mesmo que isso fosse à custa de sacrifícios, imensos sacrifícios.

Tinha duas camisas, tão poidas, que mais pareciam uma frágil rede a cobrir o abaulado peito, já não as podia lavar, apenas as mergulhava suavemente na água e, sem esfregar, pendurava cuidadosamente na corda para que fossem escorrendo até secar.

A gravata, estampada, que a falecida madrinha, um ano, lhe ofereceu pelo Natal era uma boa protecção da fragilidade da camisa e, ao mesmo tempo, davam um certo ar de respeitabilidade.

Não que fosse necessário, pois sendo filho do saudoso mestre Malaquias já era o principio de consideração.

O pai foi um homem muito estimado, era o barbeiro e ao mesmo tempo regedor, tinha uma vida equilibrada até que a desgraça lhe caiu à porta e não aguentou. Um dia apareceu morto sentado numa cadeira de verga olhando o infinito. Dizem que foi de desgosto e, os mais afoitos, até, se atrevem a segredar que se deve ter envenenado, mas o doutor Gameiro passou a certidão de óbito com a ideia que foi um ataque cardíaco. Bom! Agora, que já lá está, não interessa conjecturar! A verdade é que o desgosto e a vergonha, de uma forma ou doutra, o levaram à morte tão novo, deixando a mulher e o rapaz numa penúria que faziam dó.

Foi numa invernosa tarde, de segunda-feira, que dois guardas apareceram, na modesta barbearia, e arrastaram para a vergonha o pobre regedor, acusado de algo que não fez e de que nem sequer sabia.

Dizem que foi o presidente da câmara que mandou, os guardas, deter o desgraçado, acusando-o de ter desviado as verbas que tinha mandado para arranjar a abobada da escola dos rapazes, que ameaçava cair a qualquer momento e quando a professora, Dona Laura, lembrou o presidente do perigo para as crianças este, na certeza de ter mandado as verbas há muito tempo, concluiu que o regedor se tinha apropriado daqueles contos de réis e, mandou os guardas deter o pobre e honesto Malaquias.

Quando o homem chegou ao posto, os próprios guardas o trataram com respeito, pois estavam convencidos que o barbeiro não era para o crime de que o acusavam e tinham razão, na desorganização da câmara, descobriram que afinal as verbas tinham ido para pagar umas melhorias na casa do senhor presidente.

Os guardas, caso inédito, pediram desculpa ao mestre Malaquias e mandaram o homem em paz. Ele foi, mas paz nunca mais a encontrou, a tristeza subiu no seu corpo como um arrepio de frio, o sorriso constante perdeu-o para sempre e os olhos pareciam lobrigar, apenas, um ponto distante. Sentou-se naquela cadeira, nunca mais segurou o filho nos joelhos naquelas brincadeiras, que os dois tanto gostavam, até que, numa tarde deu um suspiro tão fundo que todas as mágoas, desgostos e desilusões se fundiram com a luz da sua alma e abalaram para além do infinito. Morreu!

A mulher, dona Bebiana, deixou partir com o suspiro do marido, o gosto de viver e nunca mais disse coisa com coisa. Endoidou! Disseram os vizinhos.

O rapaz, na ingenuidade dos seus 11 anos, não compreendia o que se estava a passar, a dona Marcolina, na catequese dizia que havia um Deus justo e misericordioso, ajudava as crianças, protegia os mais fracos e recompensava os bons. O pai era dos melhores, a mãe era muito fraca e ele uma criança e Deus não fez nada disso, dona Marcolina não percebia dessas coisas ou andava a mentir às crianças.

Foi obrigado a crescer, deixou de ser menino para tratar da mãe que, nos momentos de lucidez, lhe afagava o rosto e, com um brilho bom nos olhos, dizia:

-Se não fosse o meu José que seria feito de mim! Depois sorria, olhava algo que mais ninguém via e ficava naquela letargia onde havia mergulhado.

A casa do povo, dentro das suas poucas possibilidades, deu à dona Bebiana uma pensão de 113 Euros, para amenizar a miséria que, de repente, caiu naquela casa.

Mas 113 Euros mal chegavam para os remédios da pobre viúva e José não tinha forças para trabalhos, mais, pesados por isso apenas ia ganhando umas moedas fazendo uns mandados.

Quando a mãe morreu as coisas que já estavam más ficaram muito piores. Estava no princípio do desespero, era difícil camuflar mais a desgraça que se tinha abatido sobre esta casa e, só a ajuda da vizinha dona Carlota conseguia mitigar um pouco a extrema miséria.

Foi no meio desse desespero que a notícia apareceu, de repente, como uma bomba que apenas se ouve quando já nos caiu em cima.
        *********

Mas voltemos 36 anos no tempo. Bebiana era uma moçoila de encher o olho, trigueira, peito farto e quadris que baloiçavam ao ritmo do andar, Malaquias era um moço mal-amanhado, magro, fartos cabelos negros espetados mas de uma simpatia que contagiava. Bebiana, quando ele a foi procurar, aceitou-o como namorado, era diferente dos outros que a assediavam porque era apetitosa e ele, Malaquias, queria casar.

Passado pouco tempo a alegria encheu a modesta casa, Bebiana estava grávida. Malaquias espalhou a notícia enquanto ia pagando uma rodada de copos aos amigos.

Coincidências? No dia em que completavam um ano de casados, José abrindo os olhos e a plenos pulmões anunciou a chegada.

É lindo disseram todos, só dona Mariquinhas se atreveu num pormenor que saltava à vista mas todas faziam por não notar.
Bebiana tinha cabelos negros como a noite, Malaquias também e o rapaz era ruivo.

-É como a minha tia Carolina, irmã de minha mãe que tal como a minha bisavó também era assim, dizia Bebiana!

Todos acreditaram, quase todos, embora para alguns era muita coincidência que um dos grandes amigos de Bebiana, médico veterinário, dono da herdade dos rouxinóis, casado com a professora Aurora, ter os cabelos da cor de uma cenoura acabada de colher e, muito mais confusão quando o veterinário e a professora foram os padrinhos do José.

Houve alguns falatórios mas o assunto acabou por morrer, embora quando a professora abalou deixando abandonado o marido, acusando-o de ter, ou de ter tido, outras mulheres entre elas a comadre fosse causa para mais falatórios, mas de pouca dura pois o veterinário era homem de muita influência e tantos dependiam do trabalho na herdade dos rouxinóis.
         **********

Mas voltando ao princípio, hoje véspera de José fazer 35 anos, o doutor Toscano, ilustre advogado da herdade e dos proprietários, mandou-o chamar ao seu escritório.

-Assunto urgente! Disse o rapaz que trazia o recado.

José ficou em pânico, chamado ao doutor Toscano, ele que nunca fez mal a uma mosca. Lembrou logo o pai preso, acusado e arrastada como Cristo, com umas algemas, ao posto da guarda.

Apetecia-lhe chorar, pensava que possivelmente o iam prender por ser pobre, mas não tinha culpa pois já nasceu assim. Não sabia o que vestir, a roupa para andar na vila remediava mas, para tão ilustre visita, se calhar estava imprópria.

Mas era a que tinha! Esticou com o ferro o colarinho da camisa e alisou, um pouco, a gravata, escovou o melhor que soube o blusão.
Mirou-se ao velho espelho, já era da avó, não lhe pareceu má a figura, tinha uns olhos bonitos e o cabelo em reflexos ruivos, dispostos em argolinhas e cuidadosamente penteado.
Foi perguntar à vizinha se estava em condições de aparecer no escritório do advogado.

-Tas lindo José! Exclamou dona Carlota com um riso nos olhos.

Foi atendido por uma menina, toda jeitosa, ele já a tinha visto passar na rua, mas hoje parecia ainda mais vistosa.

A medo balbuciou:

-Boa tarde, venho para......bom....

-Eu sei, pode entrar o doutor atende já, disse a moça com um sorriso, que deixou as pernas do José a tremer.

A sala era enorme, cabia lá a sua casa com quintal e tudo. Tinha uma secretaria maior que a mesa de bilhar da sociedade e uns sofás, em pele castanha, que o atemorizavam. Tinha receio de se afundar.

O doutor Toscano era imponente, alto e com uma barriga maior que a da Rosa Periquita que estava prestes a ter o quinto filho. Era grande, estendeu-lhe uma mão enorme, deu um forte passou bem antes de se sentar atrás daquela enorme mesa.

Pegou numa pasta, de capa preta, folheou uns papéis. Pousou a pasta e firmou os dois cotovelos na secretária, abriu um sorriso enorme, parecia estar a ganhar coragem, mas acabou por começar:

-Sabe que eu estou a falar com um dos homens mais ricos desta vila?

José pensou que o homem tinha endoidado, como dizia dona Carlota, pois, bem, olhou para trás e não estava ninguém.

Lá se atreveu a responder:

-Sabe, senhor doutor, que não vim aqui para o senhor mangar comigo? Sou pobre, mas mereço ser respeitado como todos os outros.

-Calma amigo José! Calma! Exclamou o causídico. Não me entendeu bem! Estou a falar de si e para si! Depois de assinar uns documentos que lhe vou dar, vai tomar posse de todos os bens que era do nosso saudoso doutor Pedroso!

-Mas hoje tirou o dia para brincar comigo? Pergunto José.

-Tem razão! Disse o advogado. Vou explicar tudo. O doutor Pedroso era o seu padrinho e também o seu verdadeiro pai. Tenho toda a documentação que ele tratou, ainda, em vida para reconhecer a paternidade e deixar tudo ao filho, bem arrependido de não ter tido coragem de o fazer mais cedo. Só agora o fazia. Que Deus lhe tenha a alma em descanso!

José mordeu a língua para ter a certeza de estar acordado, a vida estava a dar uma volta, o Chico da Nora deu-lhe um emprego de ajudante de marceneiro, a ganhar 400 euros, ia começar no fim do mês e agora isto. Emprego, herdeiro e rico.

Pensou na vida e sentiu umas lágrimas no rosto, o advogado pensou em alegria, mas não, eram de raiva. Numa vida de 35 anos teve 11, apenas 11, de felicidade e 24 de infortúnio e miséria.

Em todos estes anos, teve falta de tudo e, o padrinho, em 35 Páscoas, nem uma simples amêndoa lhe ofereceu e de repente, quando sentiu que o tempo lhe faltava e que tudo o que tinha não o podia levar, aparece um testamento e uma paternidade.

Paternidade! Nem pensar, sempre foi filho do Malaquias Silva e não era agora que deixaria de ser.
Quem sabe até se a bisavó não era ruiva! A mãe jurava que sim, o pai acreditou e ele também acreditava.

O advogado parecia impaciente, José estava a sentir-se importante com essa impaciência.
-Sabe doutor! Exclamou por fim, sempre fui filho de um homem bom e vou continuar a ser. O nosso pai é o que nos cria e dá amor.

Não quero essa tal paternidade que nada me diz!

O advogado estava de olhos arregalados, transpirava e tentava manter a aparência. Por fim, com um sorriso postiço, continuou:

-Mas, meu caro José, a herança foi deixado em exclusividade ao filho, se não for para o filho fica para o estado, tem que assinar o documento da paternidade para poder tomar conta da herança!

José levantou-se, pela primeira vez, parecia seguro e determinado:

-Caro doutor, sempre fui pobre não vou estranhar a falta da herança, pode entrega-la aos porcos porque eu, FUI E VOU CONTINUAR A SER, filho do Malaquias da Silva, um homem bom.

Levantou-se e, sem se despedir, veio respirar o ar puro da rua.




24 comentários:

JP disse...

Olá Manuel,
Já de volta? Não me tinha apercebido.

Boas férias espero.

Abraço

✿ chica disse...

Nooooooooossa! Surpreendente!1 E deixando assim, literalmente deixou aos porcos,rs.... Me identifiquei pois aos 39 anos, me foi trazido à lua um outro pai. Mas continuei com o que conheci e me criou. Esse foi o verdadeiro e sera assim, mesmo que tenha se ido. abração,adorei ! chica

Manuel Penteado disse...

quem és, que fazes aqui? deixou um novo comentário na sua mensagem "O Pai":


AH!

E mais nada. Então essas férias?

Beijo

Laura

Publicar
Eliminar
Marcar como spam

Moderar comentários neste blogue.

Publicada por quem és, que fazes aqui? em navoltadotempo a 1 de Maio de 2013 à0 11:24

LUZ disse...

Olá, estimado Manuel!

Então, como vai isso?
Suficientemente relaxado? De volta para o aconchego, não é verdade?

Não li o seu conto, e também não estou ainda a comentar blogs.

Passei para lhe desejar um resto de boa semana e deixar-lhe um beijo de amizade.

SOL da Esteva disse...

Caro Manuel
Sejas benvindo!
Os Homens medem-se pela dignidade e hombridade. Aqui está um caso com esses ingredientes todos.
Confesso que este final, previ fosse assim.
Enaltecer a Honradez e a dignidade, Amigo, é um bom trabalho.
Parabéns.


Abraços



SOL

http://odeclinardosonhos.blogspot.com disse...

Pois é amigo... não sei o que dizer...
As motivações podem ter sido muitas: nobreza de carácter, integridade moral, coragem ou simplesmente...burrice!!!
Mas que está um belo texto lá isso está!!!
gostei bastante
Abraço amigo e um bom fim de semana
anacosta

Rita disse...

Boa tarde!!!
Bom final de semana
Agradeço sempre sua visita que
deixa meu Cantinho sempre feliz
Obrigado pela bela amizade
Parabéns por ter sempre o melhor para oferecer
Bjussss

__Rita___♥

Magia da Inês disse...

Que homem corajoso esse José!
Isso é que é ter brio na cara!
Bom domingo!
Boa semana!
Beijinhos.
Brasil.
¸.•°✿✿⊱彡

LUZ disse...

Olá, estimado Manuel!

Então, pronto para a "faina" bloguista?

Para a escrita e para imaginar, está nota 20, afirmo eu.

Li o seu conto, fio a pavio, e fiquei sem saber "quem é afinal, o pai da criança".

Há casos em que pai e mãe são louros e os fihos nascem morenos, mas há os outros casos.
Bem, só mesmo a mãe do José sabe, o que aconteceu.

Boa semana.
Beijos da Luz, com amizade.

Janita disse...

Ora aqui está um homem como já não existem mais.
Eu teria feito o mesmo, depois de uma vida inteira orgulhando-se da paternidade honesta de Mestre Malaquias, que o criou e amou ia trocar o nome de quem nunca lhe deu um carinho, apenas por uma herança material.
Mil vezes o legado de honra que o Malaquias lhe deixou.

Adorei, Manuel! Existem valores e laços afectivos que o dinheiro não compra.

Abraço, amigo!

LUZ disse...

Boa noite, Manuel!

Então está cansado? Há dias em que não nos apetece escrever, estar a pensar, pois compreendo.

Então, aguardo a sua volta.

Beijos da Luz e uma noite tranquila.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Pois eu também estou de acordo com o rapaz - pai é aquele que nos cria e nos dá amor.

O velho se sabia de tudo devia ter assumido e nunca fingir de conta.
Se lhe queria bem porque não o acolheu e lhe ensinou a boa educação e lhe deu um futuro com dignidade...??

Infelizmente conheço alguns padrinhos que apenas são isso...

Um abraço

Vivian Fernandes de Goes disse...

Olá,Manuel!

Minha nossa,meu amigo! Sei que para muitos a atitude do rapaz pode ser considerada de um tolo, mas pra mim demonstra fibra e caráter!
Belo conto!!!
Nos leva pela mão, através de suas palavras! Gosto muito!

*Demorei para vir...fiquei sem internet!
Beijos!

Vivian Fernandes de Goes disse...

*Espero que tenha descansado.
Senti sua falta.
Bem_Vindo de Volta!

LUZ disse...

Olá, estimado Manuel!

Como vai? Com muito trabalho, e ainda bem, porque sem trabalho nada se consegue.

Hoje, estou a visitá-lo para o convidar a aceitar, ou NÃO, um selo, por sinal muito bonito, que recebi de outro blogue.

Nós, não ligamos muito a este tipo de coisas, mas de vez em quando até aceito.

O selo encontra-se na lateral direita do meu blog, "Afetos e Cumplicidades".

Esteja, à vontade, para decidir, em liberdade.

Beijos da Luz.

Magia da Inês disse...

¸╭•⊰✿¸.

Bom domingo!
Beijinhos.♡ღ

•*✿⊱╮ღ

JP disse...

Está tudo bem Manuel?

Espero e faço votos que sim. Ou ainda são férias....?

Abraço

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Manelamigo

Manelamigo

Estou muito preocupado porque nuca mais vieste à nossa Travessa. E penso que não deves ter recebido o meu imeile em que contava a minha estranha doença. De repente, em minha casa a Raquel foi dar comigo sem falar, sem ouvir, sem me mexer. Naturalmente aflita chamou uma ambulância e levou-me ao Hospital de Santa Maria onde estive ou melhor estivemos pois a minha Raquel esteve sempre junto de mim durante onze horas! Bom, resumindo e concluindo, ali fizeram-me todas as análises ao sangue e à urina, uma TAC, um electroencefalograma e etc. No final das onze horas, o médico deu-me alta, mas finalmente eles não descobriram qual a causa da maldita doença. Tenho de dizer-te que foi um pesadelo, foi o pior dia da minha vida!!!!!!

Entretanto, e porque nunca mais voltaste à nossa Travessa não descobriste que eu iniciara uma nova secção: ORA AGORA, VIRA em que escrevo contos policiais, com muitos crimes e muito sexo. Creio que esta informação serve para te abrir o apetite e vás lá…

Por outro lado está lá colocado um novo PASSATEMPO/CONCURSO que tem como sempre os prémios das folhinhas indianas com figuras pintadas que talvez já tenhas recebido algumas por teres sido a vencedora de um outro. Se quiseres concorrer… concorre. Muito obrigados

abração

Henrique

Parole disse...

Uma história linda e bem contada como é de seu costume, Manuel. Pai é quem cria, independente se é rico ou não.

Beijo.

Vivian Fernandes de Goes disse...

Olá,Manuel!

Espero que estejas bem!
Beijos e meu carinho!

Rita disse...

Saudades meu amigo apareça
Bom dia de domingo
Bjuss
Rita!!!

Centelha Luminosa disse...

Meu querido Manuel, parece que nós dois estamos retornando após um tempão de ausências da blogosfera? (risos)Com o diferencial de que tu, em Portugal e eu por aqui, no Brasil.

Mais uma história surpreendente da sua inspiração como escritor. Prendi-me a leitura como sempre, mas buscando adivinhar nas entrelinhas o final que pretendias dar a história...e claro, mestre em surpresas, deixou-me agradavelmente satisfeita com a coeência do teu personagem, em não aceitar outra paternidade, mesmo revestida de grande riqureza, que não fosse aquela que lhe deu amor. Adorei!

Dias felizes pra todos nós e feliz retorno, meu amigo querido!

Bjos da Lu...

LUZ disse...

Olá, estimado Manuel!

Como vai?

Fiquei muito contente por ter aparecido e comentado o poema, "Outra vez".

Boa semana.
Beijos da Luz, com estima.

Sónia DaVeiga disse...

Ah grande José! :-D
Estes Médicos Veterinários donos de herdades... :-S

;-P

Beijinhos e boa semana!