segunda-feira, 14 de abril de 2014

Once upon a time....







Foi há três meses atrás que a viu pela primeira vez mas, ficou-lhe no pensamento o porte altivo, os fartos cabelos negros, em caracóis, a emoldurarem um rosto, quase, angelical onde uns olhos, de verde intenso, tornavam o quadro quase surreal.

Estava no pequeno jardim do largo em frente aos correios, telemóvel encostado ao ouvido, enquanto os lábios cor de romã se iam entreabrindo em frases que ele não conseguia ouvir.

Quis avançar mas não conseguiu quebrar a timidez, não era a primeira vez que as pernas lhe paralisavam a vontade, que o coração disparava à alegria do olhar e o corpo deixava morrer o desejo entorpecido pelo medo da rejeição.

Fechou os olhos para ganhar coragem, esteve assim alguns segundos até que a ousadia parecia ter vencido o medo, abriu e, a imagem, tinha desaparecido como por encanto.

Apeteceu-lhe chorar, mas em público não teve ânimo, não queria mostrar como era fraco, tímido e falho de iniciativa.

Durante três meses, todos os dias à mesma hora, no mesmo local, sentava-se num banco na esperança de a voltar a ver. Passava, quase, uma hora olhando o espaço e imaginando, o milagre de a ver correndo na sua direcção, braços abertos para o estreitar contra o coração.

Sempre ouviu dizer que a esperança era a ultima a morrer e ele sentia, que ela ainda um dia, ia reparar no amor que lhe tinha e de como a poderia fazer feliz, só precisava de ser perseverante.

A mãe dizia-lhe que o tempo que perdia o podia usar a procurar  emprego, mas a mãe não percebia nada do amor! Para a mãe, amor era um homem a trabalhar e uma mulher, em casa, a lavar a roupa e a fazer comida.
Esses tempos mudaram a vida agora é diferente, a juventude descobriu um novo conceito, mais puro, mais romântico, nada de trabalho, nada de panelas, agora a vida é para curtir, andar numa boa e cada um viver na casa dos pais.

O pai esta “bué” de atrasado, sai de madrugada e volta ao fim do dia, a trabalhar, sempre a trabalhar.
Para que? Nem dinheiro tem para trocar o "chaço" que está estacionado à porta.

O velho agora nem lhe fala. "Tasse" lixando para isso, ficou chateado porque pôs uma argola, muita curtida no lábio, diz  que os porcos é que usam argolas para não cavarem a terra, como se alguém acreditasse numa coisa dessas, o velho está mesmo a ficar marado.

Já esta a ficar "pró" lixado com a “garina”, andou um dia a pavonear-se para lhe chamar a atenção, depois dá-lhe o amoque e desaparece, mas um dia vai encontra-la e ela vai ver o que custa. Não se brinca, assim, com os sentimentos cá do menino.

Mais uma tarde perdida olhando uns velhotes num barulhento jogo de sueca, pareciam que estavam a jogar a vida. Batiam as cartas com violência, gesticulavam e acusavam os parceiros de não terem jogado este ou aquele trunfo.

Ia desistir, por hoje, mas ia voltar e um dia a gaja ia aparecer e ele, talvez, nem para a tromba lhe fosse olhar, não se brinca assim com os sentimentos de uma pessoa.

Ele não a conhecia, só a viu naquele dia a falar ao telemóvel, mas a maneira como o olhou, foi de soslaio, mas disse tudo e ele sentiu a mensagem.

*****

Foi até ao café do Rebocho, era lá que a malta se reunia, para combinar com o pessoal o programa para o dia. Já estava a imaginar o Isaías a inventar uma ida ao cinema, o merdoso do Aníbal a descobrir umas cenas maradas à porta do liceu das miúdas e o Toni a escolher não fazer nada. Ele ao cinema não ia, estava tesinho e não conseguiu sacar “népia” à velha! Para o liceu não ia, o “chui” já o topava e não estava interessado em ir passar uma noite na esquadra, não fazer nada era agradável, mas hoje não estava virado para isso.

De repente teve uma ideia luminosa e juntando os amigos num círculo, todos tesos como ele, perguntou:

-Quem está disposto a alinhar num esquema para sacar uns dinheirinhos? É, quase, uma brincadeira eu tenho tudo estudado!

-É pá, disse o Toni, não estou interessado em ir dormir à “choldra” !
-Mas qual “choldra”, qual merda! Exclamou irritado, isto está tudo previsto. O velho fecha a loja, dos telemóveis, às 7 horas e é a melhor altura para avançarmos e sacar o dinheiro e algum material.
É, fácil o Aníbal que tem mais “caparro”, imobiliza o velho e os outros sacam tudo o que valer dinheiro, mas nada de violências porque o velhote até é “bacano”. O Isaías, que tem carro, aguenta para nos pirarmos.

-Parece “porreiro”! Disseram.

-Tá combinado, às seis, todos no largo. O Isaías vai á frente estaciona, sem dar nas vistas, à porta da loja. Nós vamos de seguida e no momento de fechar a porta metemos o ombro que o ginga cai de pantanas, o Aníbal aguenta-o, nós fanamos o dinheiro, enfiamos os telemóveis no saco e arrancamos para o carro. Não demoramos mais que três minutos.

***

O senhor Apolinário já arrastava, um pouco, o peso dos anos mas tinha que viver. Estava há 52 anos nesta loja. Começou ao 14 com o tio Ernesto, era uma retrosaria, vendiam tudo e a casa estava sempre cheia, eram outros tempos, com o pronto-a-vestir o negócio foi por água abaixo e o tio desistiu, estava cansado.
Apolinário ficou com o negócio e, acompanhando a evolução, transformou as linhas e os botões em telemóveis, acabou o retroseiro e começou uma nova etapa, era necessário acompanhar o progresso.

Hoje o dia foi bom, não se podia queixar. Estava, no entanto, preocupado com um “gajo”, mal-encarado, que tinha estacionado um velho Ford à porta da loja, o tipo estava nervoso, olhava para todos os lados esperando alguma coisa e boa não era, com toda a certeza! Ia telefonar à polícia, o seguro morreu de velho.

-Vamos mandar já uma patrulha, prometeram.

Sete horas, ia fechar a porta e descer os taipais, quando de roldão entraram três marmanjos, que o imobilizaram contra o balcão, tiraram o dinheiro da caixa e começaram a descarregar as prateleiras para um saco de lona.

No momento em que se preparavam para sair, com o saque, uma surpresa os aguardava, a polícia apareceu em força. O Isaías ainda tentou arrancar com o carro mas não teve tempo.

Foram mandados ajoelhar e mãos atrás das costas, para serem algemados.
O Timóteo, finalmente, voltou a encontrar a mulher dos seus sonhos, transformados em pesadelos.

A diva, dos cabelos negros, com lábios cor de romã, era a agente Susana que, com perícia, o manietou.





12 comentários:

✿ chica disse...

Manuel, tu escreves muito bem e noa agarras, prendes até o final, esperando o desfecho sempre legal! abração, FELIZ PÁSCOA! chica

Rita Sperchi disse...

Sempre escrevendo bonito
a gente vai lendo e nem lembra de mais nada
um bonito escritor
Eu só tenho que agradecer pelo belo mais uma vez

Bjusss

╭•⊰✿¸.•* Rita!!

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Afinal o assalto foi outro que os meninos não previram.
Coisas da vida, mas parece-me que nesse tempo a polícia ainda apresentava serviço...

A D. Carminda foi minha sogra.

Smareis disse...

Olá Manuel

Ainda bem que a policia apareceu na hora certa. Aqui
só chega atrasado.
Gostei da história.
Desejo uma excelente páscoa a você e todos os teus.
Um abraço com carinho!
Ótima semana!

Laços e Rendas de Nós disse...


Ah, grande mulher! De facto foi muito oportuno ele ter esperado tanto tempo!

Como sempre, Manuel, divirto-me muito com os seus textos.

Beijinho

São disse...

Parabéns!

Uma estória muito bem gizada, com o vocabulário da malta nova e tudo, rrsss

Pois cá fico esperando a póxima,

Abraços

dilita disse...

Olá Manuel

Passei para cumprimentar e agradecer a sua visita no meu Birras. Obrigada.

Gostei de mais este texto, digo mais este, porque também apreciei os anteriores.
Fico á espera de outros;- quero mais!!!!!!!!!!!!!1

Bom Domingo de Páscoa.
Dilita

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Susana, quem diria? Manuel, seus contos são fantásticos. Que final!
Tenha um alegre Páscoa.
Beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

bem engendrado.

o que me seduz nestas estórias é a surpresa do final.

muito bem!

gostei!

:)

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido amigo

Hoje passo apenas para te agradecer o carinho e desejar uma Feliz Páscoa, junto de todos os teus.
Depois volto para ler com calma, como eu gosto.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Magia da Inês disse...

✿⊱°•

História bem real, normalmente conseguem fugir e são mais violentos.

F░E░L░I░Z

P░Á░S░C░O░A !!!
¸.•°✿✿º°。

Maria Luisa Adães disse...

Manuel

Belo texto, extraodinario na forma de contar, como é apanágio seu.

E eu fiquei presa às palavras
E não esperava o final!Mas aconteceu
e eu adorei.

Feliz por o encontrar. Se cuide, para nos acompanhar!

Beijo,

Maria luísa