sábado, 7 de fevereiro de 2015

O Senhor Silva











Hoje não lhe apetecia ir trabalhar, não lhe acontecia muitas vezes, mas hoje estava com uma preguiça que o ultrapassava.
Deu uma volta na cama, puxou a roupa e voltou a adormecer.

Acordou sarapantado, olhou para o relógio e deu um salto, estava atrasado. Bem não era só atraso era já, quase, uma desgraça.

O que ia dizer ao senhor Silva, o chefe, que era implacável na pontualidade.

Tinha que arranjar uma fatalidade, mas muito convincente, nada de tretas, pois o homem era difícil de enganar.

Muitos dizem que o senhor Silva até não é má pessoa, dizem, mas ele não concorda.

É um militarista com ideias muito rígidas, não sorri e olha as pessoas, sempre, de sobrolho franzido, Dizem que foi coronel e que chegou a andar na guerra.

Dizem, e se calhar até é verdade, mas ninguém pode confirmar.

Mas atrasos e desculpas, de meias-verdades, isso não! 
Horários são para cumprir! É o seu lema.

Estava mais do que atrasado, a cabeça trabalhava rebuscando uma desculpa, mas nada saía de jeito.

Já se Imaginava, submisso a desculpar-se:

-Senhor Silva desculpe este atraso! O senhor sabe que sou dos mais pontuais mas hoje, mesmo que quisesse, não conseguia. Ainda tentei, juro que tentei, mas se não me apresso nem à casa de banho chegava, era mesmo ali. Foi toda a noite por cima e por baixo, uma desgraça. Uma autêntica tragédia!
Foram os malditos ovos, só podiam ser os ovos, não comi mais nada que me pudesse fazer mal.

Ao mesmo tempo via o senhor Silva, sobrancelhas franzidas, bigode repuxado num ar de dúvida e aquele sorriso tão sardónico que irritava.
Imaginava o velho, sim ele era velho, escondia a idade, ninguém sabia quantos anos tinha. Mau como as cobras, sem coração.
Parecia que o estava a ouvir:

-Oh senhor Narciso quer que eu acredite nessa de gastroenterite? Era só o que faltava! São coisas que só lhe acontecem às segundas-feiras. Convém não é senhor embusteiro?
E sabe que mais, pode ir para casa tratar da caganeira porque este dia vai-lhe ser descontado!

******

 O velho era tramado, fino e esperto, difícil de enganar. Estava a ver que essa do desarranjo intestinal não ia servir. Tinha que pensar noutra coisa. Talvez um funeral, Mas de quem?


Nada de desculpas, só a verdade, ia enfrentar a fera.
Ia dizer que o despertador não tocou, faltou a luz durante a noite e o relógio ficou a piscar e não o acordou.
Não era verdade, mas podia suceder e ele tem que acreditar e aceitar. São coisas que acontecem e não é um desconfiado, insensível e sem coração de um chefe, que até era família do patrão, que vai por em dúvida a verdade do Narciso.
Já sabia que lhe iam descontar o dia mas que se lixe. Ganhava pouco e um dia descontado fazia alguma diferença. Mas que fazer? Ter emprego já era uma sorte!

*******

Ia no autocarro fazendo o filme na cabeça. Imaginava o senhor Silva, na secretaria, olhando por cima dos meios-óculos, enquanto com os dedos enrolava as pontas do farto bigode. Farto, russo do fumo do tabaco, pontas enroladas.
E ele, Narciso, perfilado na frente, com ar castrense, ele que nem sequer foi tropa, a ouvir uma reprimenda como se fosse um miúdo.

******

É verdade que estava nervoso, garante que estava, mas tinha vontade de, chegar, poder manda-lo para um certo sítio, voltar-lhe as costas e ir embora para voltar para a doce preguiça da cama.


Saiu do autocarro, era quase meio-dia, ia chegar ao escritório, quase na hora de saída para o almoço mas era de propósito, assim o senhor Silva mais apressado não lhe ia xingar tanto o juízo.

*****

Quando saiu do elevador deu de caras com a Lucinda, logo a Lucindinha, o borracho, que tanto mexia com ele. Tinha um fraco por aquela rapariga mas, ainda não teve coragem para uma aproximação, receava levar uma nega. Assim mantinha a esperança e até, quem sabe, ela pode um dia mostrar algum interesse, e ai, já se pode afoitar.
Fez o mais rasgado sorriso andes de perguntar:

-Como está a fera?

-Quem? Perguntou Lucinda.

-Quem havia se ser! O Silva, esse gajo que gosta de se aproveitar das desgraças alheias. Passei uma noite, que só eu sei, agora tenho que o ouvir e quem sabe ficar sem um dia de ordenado!|

-Ah! Exclamou Lucinda, então ainda não sabes!

-Bom, respondeu, cá o rapaz sabe tudo, tudinho, nada lhe escapa. Mas o que há de novo? Ainda não li o jornal de hoje. Acabei de chegar, agorinha mesmo.

-Então prepara-te para a más notícias, mas mesmo muito más!

Narciso começou a ficar nervoso.
Mas, muito más noticias, só podia ser um despedimento, o velho já lhe deve ter feito a cama e todos já sabem. Até estava com medo de o enfrentar, se era despedido nada tinha a perder, ia-lhe ao focinho e abalava porta fora.

-Mas, continuou Lucinda, não sabes o que se passou?

-Como posso saber se acabei de chegar! Respondeu.

-Calculei! Disse a Lucinda, hoje o Senhor Silva chegou muito cedo, como de costume, e foi para o gabinete.
A dona Amélia estava a acabar a limpeza, nem o viu chegar, só ouviu o barulho da queda. Foi a correr e deu com o pobre estendido no chão a espernear. Chamou o segurança. Telefonaram para o INEM que o levou para o hospital, mas dizem que não escapa. Pobre senhor Silva!

Narciso nem se apercebeu, mas saiu-lhe:

-Más notícias?

-Boas, queres tu dizer!

-Sabes? Começo a acreditar em Deus!




17 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Coisas da vida.
Sei quanto custa aturar chefes que sabem tudo e que são intolerantes,mas também sei dos que arranjam todos os estratagemas para se safarem e ficarem como se nada fosse...
Acontece também aos Silvas arrogantes e sem respeito pelas fragilidades alheias, tombarem mesmo durante o seu horário de trabalho.

✿ chica disse...

rsssssssssssssssssss....Pobre Sr Silva que teve o tombo e internação para alegria do funcionário que nem precisou "gastar" suas desculpas esfarrapadas... Gostei muito! abração,lindo domingo! chica

Gina G disse...

Este conto é a prova de que todos acontecimentos têm o lado B, é questão de virarmos o disco e percebermos que não toca o mesmo.

Beijinhos

Gracita disse...

Bom dia Manuel
Sempre há o outro lado não é?
E o Narciso nem precisou das desculpas esfarrapadas ante a desgraça que acometeu o temido chefe.
Gostei da irreverência do conto meu amigo
Um ótimo domingo
Um grande abraço,
Gracita

São disse...

Uma vez disse a uma coordenadora que eu faria o que quisesse, mas que ela tinha que saber o que queria e não andar indecisa , rrsss

Claro que paguei caro essas e outras atitudes.

Porém , valeu a pena!

Bom domingo

✿ chica disse...

Manuel, voltei pra agradecer o teu carinho lindo por lá! abração,chica

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

É pra se acreditar, na providência divina. Sempre um final surpreendente...:como gosto!
Confesso que já tive chefes, para os quais não tive "bons pensamentos"...

Boa semana, Manuel!
Beijo carinhoso...

SOL da Esteva disse...

O projecto de desculpas nem sempre serve ao projectista. O Narciso precisava duma boa lição. Não a teve porque o homem põe e Deus dispõe.
Uma delícia de Conto com sabor a "verdades" correntes.
Magnífica imaginação, Manuel.



Abraços



SOL

rosa-branca disse...

Amigo Manuel, embora esteja em falta, já tinha saudades de ler os seus contos. Não precisou de se desculpar...É, a vida ás vezes tem dessas surpresas. Adorei meu amigo. Beijos com carinho

Smareis disse...

Oi Manuel!
Tudo vira ouro, coisa de primeira qualidade quando você combina letrinhas.
Muito bom esse conto, você é um artesão das palavras. Começo, meio e fim excelente!
Coitado do Senhor Silva, talvez ele se acalme depois desse acidente rs.
As vezes o destino cuida das coisas sem a gente precisar mover um dedo, quer dizer pregar uma mentirinha, rsrs.

Essa coisa de caganeira não é bom nadica de nada kkkkkk.

Goste muitooo Manuel, adoro ler suas história.
Obrigada pela leitura.

Tem postagem atualização por lá!
Um beijo!
ótima semana!

Flor de Lótus disse...

Oi,Manuel!Td bem?Desculpe o sumiço!A correria dos dias tem me feito visitar pouco os amigos. As segundas-feiras a preguiça é grande mesmo e que sorte teve o seu Narciso, ufa porque essas coisas de não acordar cedo acontecem com todos.
Beijossss

Magia da Inês disse...

⋰˚هჱ⊱
Ahhhhhhhhh.... coitado do Silva!

HAPPY VALENTINE'S DAY!

Muita paz, muita saúde e muita harmonia nesse fim de semana!!!!
Beijinhos do Brasil
╰╮هჱ⊱

CÉU disse...

O que faz o medo, por vezes, injustificado.

As melhoras do chefe Silva, sinceramente.

Bom domingo!

Carmem Grinheiro disse...

Boa tarde Manuel,
Ai que este seu personagem, o Narciso, também saiu cá uma "estrela"...

abç amg

Janita disse...

Manhoso, esse Narciso! Não gostei dele!!!
Ainda por cima, congratular-se com a morte do velhote só pelo alívio de não ter que pensar em mais desculpas.
A verdade acima de tudo, evita tanta dor de cabeça...
O Manuel lá arranja estas historietas, bem engendradas, nem que sejam na base de tretas! Ehehehe.

Um abraço!

Magia da Inês disse...


Amigo... esse cãozinho com cara de abandonado e triste não tem nada a haver com o Sr. Silva, tem?
Boa semana! Beijinhos do Brasil.
。ه✿ྋ°•..

Mirtes Stolze. disse...

Olá Manuel.
Esse Narciso ficar feliz com a desgraça do seu patrão só porque se atrasou que horror, que bom que só é um lindo conto feito por você, mas infelismente na vida existe pessoas assim que só pensam no seu lado, em vez de desejar o bem de todos. Quanto ao atraso com certeza a verdade sempre, quem nunca se atrasou, acho que ninguém, a verdade liberta, a mentira aprisiona. Uma feliz noite meu amigo, colocando em dias os seus contos que não li ainda.
Beijos.