domingo, 12 de abril de 2015

Um caso sem solução





-Sim, estou a trabalhar num crime muito bonito-talvez a minha obra-prima (Nicholas Blake)



Estava bem morto, não havia duvidas.
Bastava olhar o aspecto daquele furo que tinha no meio da testa, era um buraco negro onde o sangue, já coagulado, dava um aspecto, quase, sinistro. No rosto, apenas a lividez, destoava na serenidade e naquele espécie de sorriso, que morreu antes de ter tempo de nascer.

O polícia era enorme e tinha uma forma de falar, demasiadamente enfatuada para ser verdadeira, repetia, demasiadas vezes, as palavras mas de forma tão casual que parecia ser normal.

Era da judiciária, informou, e estava confuso porque as coisas não pareciam normais, havia muitas questões  para explicar.

O outro, o mais novo, também era polícia mas devia ter pouca prática, seguia o colega e tentava adivinhar-lhe os pensamentos.

-Sabes, disse o mais velho, que isto não me cheira muito bem, há qualquer coisa que não bate certo!

-Mas, perguntou o outro, o que achas que não bate certo? O gajo levou um tiro nos cornos, e bateu a bota, só falta saber quem o fez!

-Abre os olhos, abre bem esses olhos, e diz que te parece tudo normal! Vá, diz lá que não vês que isto não bate certo? Porra!

-Bem, mantém a calma e diz o que achas que não bate certo? Insistiu o mais novo.

-Olha bem para este tipo, tem um buraco na testa, que parece a boca do inferno, e onde está o sangue? Apenas um coágulo seco, só isso, nem mais um pingo. O gajo foi morto, noutro local, e trazido para aqui, não é trabalho de uma só pessoa. O médico, depois da autópsia, vai confirmar se tenho ou não razão. E ainda há mais, a bala entrou e saiu e onde está a merda do furo que devia ter deixado no cadeirão?
E quem é o marmanjo, todo aprumadinho, com um sorriso de Gioconda, mesmo depois de morto, fato de muitos Euros, camisa Pierre Cardin, gravata de seda italiana, um anel que vale mais de que um ano do meu ordenado. Não houve roubo mas a carteira desapareceu. Nem um único documento de identificação.

-Mas quem é a vitima? Perguntou o mais novo.

O colega esfregou a orelha, parecia um tique, já o tinha feito por diversas vezes. Parecia estar a procurar as palavras antes de responder:

-Isso é o que mais me intriga, ninguém o conhece! Temos que descobrir, vai ser um longo trabalho. A cabeleireira, abriu às oito horas a porta, e apanhou um cagaço quando viu o homem sentado e, ainda maior, quando olhou para o, enorme, buraco na testa.

Estava meia aparvalhada e só sabia dizer "mal-empregado era tão bonito!"

*******

O mais velho era o inspector Morgado, o outro era o agente Martins.
Ficaram como investigadores do caso do “sorriso enigmático”, foi assim que o baptizaram, talvez pelo último esgar da vítima.

O Inspector Morgado, era uma pessoa difícil, pensava 24 horas no trabalho e um fracasso era, para ele, algo impensável.

A mulher fartou-se de esperar e um dia, sem se despedir, voltou para donde viera, meteu-se ao caminho e desapareceu. Deixou um bilhete muito lacónico "a paciência tem limites".

Deu a entender que voltava para casa dos pais, mas todos sabiam que tinha fugido com um bailarino inglês, que conheceu num espectáculo.

O agente  Martins era diferente, apreciava a vida e não a queria viver, na obsessão, de casos para resolver. Não fugia ao trabalho mas, sempre que podia, fugia dele. Havia tantas coisas interessantes para fazer.

*****

-Bem, disse o inspector, vamos fazer o ponto da situação. O morto aparece sentado no cadeirão dum cabeleireiro, nunca ninguém o tinha visto, antes, por aqueles lados, foram  consultados todos os registos, todos os desaparecimentos comunicados, fotos espalhadas, incluindo as publicitadas nos jornais, as impressões digitais não foram identificadas, nada, mesmo nada. A autópsia foi conclusiva, morreu de um único tiro e perdeu muito sangue. Devia ter uma idade entre os 28 e 33 anos.
Estive a observar-lhe as mãos e, concluo que deve ter uma profissão que não deixa desgaste nas mesmas, muito limpas e sem marcas. Ou advogado, médico ou menino rico que não faz nada a vida.

O agente Martins, interrompeu:

-Mas como explicas que o tenham abatido num lugar qualquer, onde devem ter ficado marcas, e o tenham levado para o salão de cabeleireiro sem ninguém ter dado por nada. O gajo não é muito grande mas sempre deve pesar uns 70 quilos!

O inspector responde, quase, maquinalmente:

-Pesa, segundo o médico legista, à volta de 67 quilos já considerando a perda de todos os fluidos. Era muito leve!
A hora da morte foi, segundo eles, entre a meia-noite e as três da madrugada.
Não foi obra de uma única pessoa, foi mais do que uma, talvez mesmo um gangue, ajuste de contas, ou coisas da droga. Sei lá!

-Vai ser lixado, disse o agente, temos pela frente um bico-de-obra.

-Vai mesmo, respondeu o inspector, mas vai ser a tua grande oportunidade, aquela que há muito procuravas. Fica tudo à tua responsabilidade mas, já sabes, contas sempre com o meu apoio.
Tens todos os elementos, o relatório da autópsia, dos interrogatórios e o resultado de todas as diligências.

-Mas o chefe não se sente bem? Perguntou Martins.

-Estou bem, mesmo muito bem, mas preciso de algum tempo, não posso continuar neste sufoco. A Andreia voltou para mim, pediu para darmos uma oportunidade à nossa relação e vamos dar! Quero cumprir a minha parte.

-Faz bem chefe! Julguei que a Andreia tinha ido para Londres, até falaram que tinha uma relação com um bailarino! As pessoas inventam mas, se voltou, é porque sentiu saudades suas.

-Pois foi, as pessoas dizem coisas. Mas não importa! Voltou, não se deu bem e se calhar, como tu dizes, teve saudades minhas.


*****

Hoje o inspector Morgado parecia estar, totalmente alheio. Estava, ali, mas o pensamento, notava-se que, andava longe, muito longe.
Abria uma pasta e parecia olhar as páginas mas era apenas uma forma de matar o tempo. Fazia a esferográfica rebolar, entre os dedos, como se fosse um brinquedo.

O agente Martins notava que algo estava mal, mas tinha receio de perturbar aquele alheamento. Mas, era muito amigo, e tinha que o fazer.
Queria fechar o processo, propor o arquivamento.

Tomou coragem, e avançou:

-Então chefe, parece não estar num dia sim!

-E não estou Martins! Não estou mesmo! A Andreia, e eu, chegamos à conclusão que não dá. Voltou, para donde nunca devia ter vindo. Afinal, como dizias, não teve saudades minhas.

-Pois chefe, quando não dá, o melhor é cada um ir à sua vida.
Mas, agora, queria a sua opinião sobre o caso do “Sorriso Enigmático”, acho que o devíamos mandar arquivar.

-Mas, respondeu o inspector, não avançastes nada?

-Oh chefe, avancei muito mas, nada de interesse, vou propor arquivar o caso. É estranho, há muita confusão e não leva a nada. O morto era um bailarino inglês.
Chegou a Lisboa, num voo, na véspera de encontrarem o cadáver.
Acho que, no mesmo, onde veio a sua ex-companheira, mas agora isso não interessa.
Vou mandar arquivar. Acha bem?

O inspector notou o sorriso sardónico do agente, mas fingiu não notar, limitou-se a confirmar:

-Faz o melhor, o processo é teu, tu mandas nele. Não percas tempo, fizestes um bom trabalho. Parabéns! Tu é que mandas. Tens o meu, total, apoio. Faz o que está na tua consciência! És um bom agente.
-Pois chefe, a minha consciência, é que me tem lixado. Vou mandar arquivar!
Afinal o tipo nem era conhecido e nem temos local do crime.

-Não é, chefe?





15 comentários:

Gracita disse...

Na vida precisamos arquivar alguns processos para que não causem dissabores. Esperto o agente Martins
Um belo e envolvente conto Manuel
Parabéns pela astúcia e criatividade
Um abraço com especial carinho

SOL da Esteva disse...

Um bailarino inglês,o alheamento do Inspector Morgado e a "passagem da pasta" ao inexperiente Martins, leva, para o caminho que se pensa.
Um bom Conto para manter as expectativas até ao final.
Parabéns, Manuel.


Abraços


SOL

Gina G disse...

Realmente foi melhor arquivar o caso, lá isso foi.

Beijinhos

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Quanta lealdade!...é aí que ela vence à consciência! Além de ser " um caso sem solução" eu diria que é um primoroso conto! EXCELENTE!

Aproveitei a minha vinda hoje e li o "P....de vida", anterior a este: um caso digno para a Lei Maria da Penha, que pune os homens violentos. Gostei do conto, não da violência rsrs...

Boa semana, amigo!

Smareis disse...

Olá Manuel!
É isso que dá roubar mulher de inspetor que tem um agente fiel e insidioso que nem o Agente Martins, a conclusão do caso é evidente: "Caso Arquivado". Até porque Agente Martins parece ser um pau mandado do inspetor, e nem levava a sério o seu trabalho. Até porque não tinha vós ativa naquela birosca mesmo, risos.
Gosto dos seus contos porque ficam próximos da realidade que vivemos.
Excelente conto Manuel!
Obrigada pelo Dia do beijo!
Esse pessoal inventa datas pra tantas comemorações. Então vai aiiiiii beijos pra ti também.

Ótima semana!

Sandra Botelho disse...

Penso que arquivar foir o melhor a ser feito amigo... excelente como sempre meu querido. Bjos achocolatados

CÉU disse...

Olá, Manuel!

Como está? Por aqui, tudo igual e calmo.

Ora, estive a ler o seu enigmático conto, que parece, sempre, ser verdadeiro, mas, acredito que existam situações parecidas ou iguais.

Sensualidade (rsrsrs), por aqui, não há, a menos que a Andreia fosse uma mulher interessante e inteligente, mas dela, e nesse aspeto, não fala no seu texto.
O relacionamento não dá, não dá.

Pois, coitado do bailarino inglês! Mas, quem o teria morto? A Andreia? Outra pessoa qualquer? Narrativa, em aberto.

Um abraço e tudo de bom!

CÉU disse...

Bem, qto ao vídeo da Beyoncé, aquilo é k são movimentos de rabiosque! E "vocês" a "babar". Bem, está-lhe no sangue, e África corre-lhe, direta ou indiretamente, nas veias, embora tenha nascido em Houston, portanto no Texas, e ainda, segundo sei, não tenha filhos.
Não gosto dela como cantora, nem a acho bonita, no sentido verdadeiro do termo. Mexe-se bem, é isso!

Dias felizes!

Carmem Grinheiro disse...

Mais vale esquecer ;)

abço amigo

dilita disse...

Caro Manuel

Gostei muito deste conto, aprecio o género. Mas que Inspector de maus figados. - Tratou-lhe da saúde, ou mandou tratar, e nada de remorsos. Quem tal pensaria ser ele o justiceiro... só o Manuel.
Abraço.
Dilita

Maria Luisa Adães disse...

Ele veio atrás de Andreia e ela trazia companhia que matou o homem inglês e o colocou no cabeleireiro.
Ela foi conivente, o inspetor sabia e mandou encerrar o caso!

Gostei e teria várias análises a fazer, mas fico por esta.

Afinal é a mais fácil!

abraço,

maria luísa

São disse...

Como sempre, um conto muito interessante!

Abraço de bom fim de semana

CÉU disse...

Bem, sem novidades, ainda.
Qdo quiser, "visite-me", Manuel, pke já tenho "artigo" novo, próprio para a coleção Primavera verão, ou seja, leve, fresca, "em "pelota", melhor dizendo

Bom domingo e melhor semana!

Manuel disse...

luís rodrigues coelho Coelho deixou um novo comentário na sua mensagem "Um caso sem solução":

Uma história que começou mal e acabou no arquivamento.
Não se conhecem os autores do crime nem se vislumbram os motivos do mesmo.
Para concluir ninguém sabe a origem da vítima.
Poposto o arquivamento do caso

Publicar
Eliminar
Marcar como spam

Moderar comentários neste blogue.

Publicada por luís rodrigues coelho Coelho em navoltadotempo a 19 de abril de 2015 às 13:58

SOL da Esteva disse...

... parece que o "caso" não teve (mesmo) qualquer solução.


Abraços



SOL