segunda-feira, 10 de agosto de 2015

O Grande Segredo
















Ninguém mais sabia, era um segredo tão bem guardado que, muitas vezes, pensava que o levaria para a cova.


******


Era estranho só viu o homem uma única vez mas foi o suficiente, foi esquisito, não era mulher, aliás rapariga, de emoções, era um pouco fria em relação aos sentimentos, nada de amores à primeira vista, nem se deixava atrair pelo aspecto pessoal. Isso não importava mesmo nada.

Era demasiado materialista, para ela, o aspecto económico era o seu lema, Tens dinheiro és importante, não tens és um borra-botas.

Amor? O que é isso se não tiver a dispensa cheia, os armários com boa roupa, uma boa casa, bem mobilada? Depois, mais tarde, filhos nos melhores colégios, carro com motorista à porta, sim isso é que era amor, o resto são sonhos que um dia morrem.

Mas hoje foi diferente, quando cruzou os olhos houve um faiscar, como que um choque, que lhe arrepanhou o corpo e fez o coração saltar. Não sabia explicar.

Porra, pensou, sou mesmo parva! Olhei para um gajo e, quase, fiquei com uma humidade que não sei explicar.

Ele também sentiu algo, fez um olhar de matador, mas não era preciso, já tinha fulminado.
Ficou apaixonada e esqueceu tudo o que considerava importante, afinal havia algo além do dinheiro.

Ele continuava, naquela olhar "galador", num semicerrar de olhos, num humedecer de lábios que a entontecia, mas não avançava, parecia estar a gozar a sensação de a ver, excitada, com todas as emoções à flor da pele.
Fazia sempre assim, elas que tomassem a iniciativa. Tinha mais pica.

E aconteceu, Foi ela que empinando o peito, para se tornar mais notada, perguntou:

-Está a olhar-me, de forma provocadora, porque lhe agrado ou, é apenas, para fazer charme?

Ele foi apanhado um pouco de surpresa, mas pouco, pois já tinha percebido que ia acontecer. Refinou o sorriso, a língua acariciou os dentes, de forma subtil, antes de responder:

-Nada do que diz, estou apenas fascinado, por tanta beleza numa única pessoa. Deus foi muito pródigo consigo!

-E diz isso a quantas raparigas? Não abuse em galanteios! Replicou Libânia.

Fez um olhar tão doce, mas mesmo tão doce, que a rapariga sentiu um calafrio que começou, no princípio do pescoço, e desceu até sentir um frio na barriga que a deixou totalmente entre o céu e a terra.

Tudo passou a ser diferente, os dias eram pequenos, para tanto amor, e as noites eram intensas de paixão e entrega.

Nunca se tinha sentido tão feliz, bebia as palavras, enchia os olhos da imagem do homem, que parecia ter enfeitiçado todos os seus sentidos. Era feliz!

Começou a ver, o mundo, de uma forma diferente, imaginou uma Igreja enfeitada de rosas brancas, uma noiva, com uma grinalda de flores, a dizer um sim ao "até que a morte os separe".

Depois uma casa cheia de coisas simples, um marido terno e carinhoso, crianças em alegres brincadeiras e uma gata, gostava de gatas, espreguiçando no peitoril da janela.

*************

Foi no domingo, apareceu mais arranjada do que o normal, até pintou os olhos e reavivou as pestanas com rímel, para as alongar e, lhe deixavam  um olhar mais sensual.
Ele, como sempre, desportivo, descontraído e um pouco convencido, do fascínio que exercia sobre as mulheres.

Ela, como sempre fazia, pendurou-se no braço num procurar de carinho e protecção.

Libânia, perdeu a personalidade forte e, esqueceu o pragmatismo que sempre a norteou, ficou mais feminina, mais romântica e cheia de sonhos cor de rosa.
Agarrou, com mais força, o braço do seu amor e sussurrou:

-Orlando sabes o que sonhei esta noite? Foi tão lindo!

-Calculo, respondeu ele, deves ter sonhado, cá com o rapaz e das coisas boas que fazemos.

-Não foi bem, mas quase. Sonhei que casamos, estávamos na nossa casa, com os nossos filhos e, calcula tu, até com uma gata na nossa janela.

-Pois, respondeu Orlando, só em sonhos. É melhor estares acordada. Casar, eu? Filhos e uma gata? Que grande pesadelo minha querida!

-Não sejas tonto, amor! Nem soa bem mas sonhei! É o meu sonho, ser tua mulher e ter-mos a nossa vida.

-Mas, começou Orlando, pensas que vou casar, ter putos ranhosos e gatos pulguentos? Tira daí o sentido! Isso nunca vai acontecer!
Sou um homem livre e, é, assim que vou continuar. Tenho as mulheres que quero, não vou ficar amarrado a uma, deixa os sonhos e vamos curtir a vida!

Ela continuou, agarrada ao braço, com as lágrimas a saltarem dos olhos. Não queria que ele visse que acabara um amor, que nascia um ódio.

Andaram toda a tarde, ele falou, falou e continuou mas, ela manteve a boca fechada.

Foram até Cascais à boca-do-inferno, andaram por entre as pedras, espreitaram o buraco fundo, onda as ondas faziam um som cavo e ameaçador.


*************
Passado algum tempo, a Libânia, seguia sozinha para a estação, onde apanhou um comboio para o Cais-Sodré.

*******

Foi há três meses atrás, nunca mais se ouviu falar do Orlando.

Libânia voltou ao que sempre foi, enigmática e calculista.

Mas agora tinha um segredo, um grande segredo.  

Estava feliz, voltou ao que sempre foi, e o segredo, esse, iria morrer com ela.











13 comentários:

Gina G disse...

E pronto! Com mistério se agarra os leitores. :)

✿ chica disse...

Sempr3e assim! Maravilhoso e nos deixas pensando..Adorei! Mais uma ótima leitura aqui! abração,chica

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Manelamigo

Ai Libânia, Libânia, já percebi o que fizeste e que queres levar para a cova; mas se a Judite descobre...

Abç do Leãozão

CÉU disse...

Foi "sol de pouca dura". Tanta coisa, tanto élan, tanto "amor" para voltar à sua essência, de onde nunca deveria ter saído.
Com o tempo e com as lições de vida, as "Libânias" e outras, vão percebendo e aprendendo.
Boa semana!

Janita disse...

Interessante, fácil e agradável de ler, prende o leitor e com um desfecho inesperado!

Gostei muito, embora reconheça que esse Orlando não era lá boa peça e que a Libânia, não era cá mulher para deixar as coisas em banho-maria!
Morto o bicho acaba-se com a peçonha...Mas, será que há crimes perfeitos??...Hummm, sei não!!

Um abraço, Manuel!

Parabéns e obrigada por estes agradáveis momentos de leitura.

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia Manuel.
Já estava esperando o seu novo conto , sabe como gosto de te ler, tem uma criatividade perfeita, amo as suas historias. É agora qual é o segredo? deixando levar pela minha imaginação fértil, ela se mudou carregando no frente um filho dele e jurou que nunca ele saberia rsrs. Que pena que ao ela se permitir amar e ser mais feliz, não deu certo na escolha. Uma linda semana meu amigo. Um forte abraço.

ania disse...

Poxa...que belo conto, li de um folego só...excelente criação, Manuel! Parabéns por mais uma linda inspiração!!! abraços, ania..

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

O Amor existe para quem sabe o seu real valor. Ser medido pelos bens materiais, como a Libânia o fazia, é consabido da sua verdadeira personalidade: amor com dimensão igual á de ódio.
Parece evidente que a Libânia resolveu o problema da sua entrega por ilusão. Mas isto não é solução para que o segredo se possa esconder no final da vida.
Um belo Conto, (como sempre) com princípio, meio e fim.
Parabéns, Manuel.
Abraço

Sinval Santos da Silveira disse...

Oi, Manuel, boa tarde !
Bela e emocionante criação.
Parabéns.
Um fraterno abraço, amigo.
Sinval.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Cenas possíveis...
Quando o amor nos bate à porta tudo se modifica e a vida tem mais colorido.
Aqui na tua história ficou-se apenas de um lado.

Magia da Inês disse...

Guardar um segredo desses... que mulher corajosa!!!

Tenha um ótimo dia!
Beijinhos.
✿˚° ·.

Manuel disse...

Na volta do Tempo

Bonito título!

Mas o Tempo não Volta.
Na minha filosofia não existe Tempo.
O “Tempo” só aprece, quando o Homem inventou o Relógio.

Mas agoura vamos ao que interessa. Como já é do seu conhecimento. Tenho enorme dificuldade em ver por deficiência visual.
Como já é deve ter notado. Não tenho visitado qualquer Bloque. É me impossível ler o que lá se escreve. A razão os Lyouts os quais dificultam minha falta de Visão.
Mas ontem fez um grande esforço e fui até à; Na volta do Tempo. O título do primeiro Post. Foi me impossível ler. Devido à cor a qual para os meus olhos está muito fraca. (mas a culpa não é sua). Com ajuda lá consegui decifrar o Título O Grande Segredo. O texto consegui ler por estar a negrito (me parece)

O meu Comentário, se o deseja colar no seu Bloque, por me ser impossível ir até lá ao lugar dos Comentários.

Fernando disse:

Mauelamigo (expressão usada por Ferreira Antunes)
Como sempre um conto bem narrado. Com um desfecho inesperado, à.Hitchcock Que talvez não tenha agradado à falange Feminina.
De minha parte continue a escrever no seu Estilo.

Muito Obrigado pelo que nos Ofereceu a Ler.

Jc

Que tenha um bom domingo e u bom início de Semana!

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Uma mulher que muda de comportamento, por ser tomada por sentimento inesperado, caindo numa arapuca que, ao ser revelado, reverte o quadro e fica presa a um eterno segredo: que infelicidade! Mas, na real, o Manuel tem um enredo digno de um filme!
Gosto da Mariza: grande intérprete!
Boa semana...meu abraço!