terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Minha primeira carta ao Pai Natal......




Olá Pai Natal.
Sou o Manuel!
Eu sei que não te lembras de mim e não precisas procurar na lista porque sai de lá há muito, se é que alguma vez lá estive.
Quando eu era pequenino tu ainda eras só São Nicolau padroeiro dos marinheiros. Pai Natal não havia. Nem Coca-Cola.
Era o Menino Jesus que fazia a distribuição das prendas, mas não se saiu lá muito bem. È o que parece!
Também, onde se viu encarregar um menino de uma tarefa tão grande?
Era natural que houvesse falhas. O menino que morava ao meu lado tinha sempre o sapatinho atulhado de prendas e o meu acordava como tinha adormecido, vazio.
Seria que a outra chaminé era mais acessível? Nunca cheguei a descobrir!
Depois alguém viu que essa missão era demasiada para um menino e a Direcção de Recursos Humanos da Coca-Cola resolveu, e muito bem, a mudança.
Foi a tua sorte, pois de um Santo só conhecido nalguns países passastes a um símbolo do Natal.
Agora tem atenção e não cometas os mesmos erros. Olha que a Coca-Cola ainda existe e pode escolher outro. Tem cuidado!
Era só isto que tinha para te dizer.
Desejo que tenhas um Bom Natal.
Manuel


PS
Olha que há meninos que não tem chaminé e muitos nem sequer têm sapatos. Não os esqueças.



4 comentários:

AnaT disse...

Ainda vai a tempo... e sim sr. é mto bonita! Acho que desta vez não vai ter o sapatinho vazio... estará lá pelo menos a minha amizade (até acho que só um sapatinho não vai chegar...)! Bjinhos e Feliz Natal para si e para a Ilda!

Manuel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Manuel disse...

A sua amizade está dentro de mim. è valiosa demais para ficar no sapatinho.
Bom Natal para os três.

Filipinha disse...

Caro Manuel,

Eu ainda sou do tempo do Menino Jesus...

Em casa da Mãe eu deixava o Sapatinho na chaminé.

Nunca deixei uma bota, deixava sempre um sapato pequenino porque não queria que o Menino Jesus achasse que eu estava a pedir demais. Tinha este "trauma" de um conto que a Avó Fernanda me lia. Um conto já muito antigo de quando a Avó era Pequenina e que vinha num Suplemento Infantil, O PIM-PAM-PUM, do Jornal "O Século".

Um menino pensou ser mais esperto que os irmãos e deixou uma bota em vez de um sapatinho achando que assim receberia mais presentes. De manhã, ao acordar, tinha a bota vazia...

Não será com toda a certeza o caso do Manuel porque com tão grande coração coloque um pequeno sapato ou uma grande bota nunca será suficiente para toda a amizade, amor e carinho que lhe querem oferecer.

Renovo os meus Votos de Feliz Natal para o Manuel, para a sua Mulher, Ilda, e para todos aqueles que lhe são Queridos.