terça-feira, 3 de março de 2009

Um Cupido....





Há sensações que nos acompanham para a vida.
Há momentos que passam a fazer parte de todos os outros momentos.
Nunca poderemos esquecer umas mãos de veludo que nos acariciam, uns lábios húmidos de desejos que devoram os nossos em arroubos de prazer e desejo.
Nunca poderemos votar no esquecimento o concretizar dos nossos desejos, de poder beber a volúpia dos olhos que mais desejamos, da companhia que nos aquece, do abraço que nos deixa com a sensação de que apenas nós somos todo o Mundo.
O não concretizar dos nossos anseios é como caminhar de olhos vendados, sem horizonte e sem destino.
Andar suspirando, mordidos pelos dentes dum ciúme que nos devora é como não estar, como não existir, como viver uma existência que não existe.
Fico triste pelos que sofrem, mas compreendo os que nada podem fazer, mas tentam.
Sei que é difícil dividir, que é impossível saber o certo e o racional.
Somos humanos e o coração por vezes tem que esperar.

Quando leio amores incompreendidos, ou antes, amores não correspondidos fico um pouco com a sensação de uma amargura, de uma angústia, de uma frustração.
Fico com pena de não ser um Cupido.
Fico triste por não saber ser a solução.

3 comentários:

Filipinha disse...

Que mais posso escrever para além de um simples...

ADOREI!

Não consigo escrever mais.

Beijinho grande

Luis disse...

Manuel de tudo o que vivi nunca a voz da razão calou a do coração.
Pode-se viver sem razão mas não sem coração. Devemos ir onde este nos leva, mesmo que o caminho seja arduo e tortuoso. Porque ao chegarmos espera-nos a realidade dos sonhos.

Saudações Leoninas!

AnaT disse...

Que dizer?... Lindo para variar!

P.S.:Acho que daria um belo Cupido!;o)