terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Eloise





Foi amor à primeira vista.Juro!

Era linda, esbelta, linhas perfeitas. Uma elegância que dava nas vistas. Fogosa e com uns quadris onde apetecia, desde logo, dar uma carícia.

Olhou-me com aqueles enormes olhos, onde se mesclavam um misto de ternura e rebeldia.
Fiquei preso, fiquei doido.

Tinha que ser minha, tinha que a montar.

Eu sei que o meu pensamento é abusivo e revelador de um grande egoísmo, mas tenho que ser honesto e, esse é o meu maior desejo. Confesso!

Ia começar uma luta e antevia que a nossa relação não seria fácil.
Ela é esquiva voluntariosa e de grande personalidade.

Tenho que avançar devagar, tenho que ser perseverante para a conquistar.
Não posso ir muito depressa, pois quando me torno mais atrevido, olha-me de forma estranha, parece dizer:
- Calma rapazinho não pense que te pões em cima de mim com essa facilidade!

Tenho que ser paciente, embora a paciência não seja o meu forte, mas tenho que o ser.

Ela sabe, já se apercebeu que eu estou caidinho por ela e que o meu maior desejo é saltar-lhe para cima e dar a azo a que ela, com toda a fogosidade que lhe adivinho, me satisfaça o desejo que anda louco em mim.

Hoje, dia especial. Olhou-me de forma diferente, quase terna.

Deixou que a minha mão lhe percorresse a doce curva do seu pescoço. Não senti qualquer sinal de rejeição, pelo contrário, encontrei uma docilidade que nunca antes tinha notado.

Fui aproveitando, lentamente, com suaves carícias, fui-me aconchegando devagar até que senti os nossos dois corpos fundidos num amplexo, como se apenas de um se tratasse.

Primeiro foi com suavidade, num deleite calmo, de adaptação ao ritmo, depois num arfar frenético disparamos.

Ondulações suaves, vibrações, orgias de ventos, espaços, conquista.

Foi um galopar louco pelos prados verdejantes.

Finalmente conquistara Eloise.

Égua linda, pura raça Lusitana.

8 comentários:

Elaine Barnes disse...

ahahahaha boa! Adorei!Muito criativo,Eloise também pode ser dócil. As vezes escrevo dessa forma também e gosto bastante de surpreender.Já escrevi umas cinco pegadinhas kkkkkkkkk Muito legal,mas,a sua arrebentou! rs...Obrigada pela visita e o post é do ano passado, este ano o calor está qse 40º e nem sai de casa. Mas o fato é verídico. Não gostei do que vi,fiquei com vergonha de ser mulher naquele salão.

Sonhadora disse...

Manuel
Lendo embevecida a tua história...não esperava este final.
Muito bom.

Beijinhos
Sonhadora

Kimbanda disse...

Olá amigo Manuel,
Então paródia! Mas quem engana assim merece ser imediatamente perdoado por tal. As mais lindas éguas são mesmo as lusitanas. É vê-las altivas e lindamente desenhadas, elgantes no seu porte único.
Muito bom texto. Apreciei.
Forte e amigo kandando

Manuel disse...

Cara Elaine, nunca se envergonhe de ser mulher. O importante é saber em que lado devemos ficar. A Elaine soube.

Cara Sonhadora, obrigado por gostar e vir dizer.

Amigo Kimbanda, por vezes temos que brincar para enganar as emoções.
Quanto aos cavalos estamos de acordo, só é pena não os pudermos por na varanda.

Elaine Barnes disse...

Olá! Passei para desejar-lhe um excelente final de semana(sem medo) rs... Montão de bjs e abraços

SDaVeiga disse...

Caro Manuel:
Tenho lido regularmente o seu blog porque é lindo e interessante (especialmente a das estrelas - acredito piamente nisso, só é pena a luz demorar tanto tempo a chegar cá...), mas, desta vez, fiquei com um sorriso nos lábios logo nas primeiras linhas.
Obrigada!!!

Manuel disse...

Cara Amiga SdaVeiga, as suas amáveis palavras são um estimulo e um conforto.
Obrigado pela companhia e, pela presença neste espaço.
Espero que continue.

Luz disse...

Amigo Manuel,
Ando "ausente", mas continuo presente, atenta.
Não me esqueci deste espaço que tanto gosto e, no qual encontro uma forma de ser e estar com a qual me identifico e, sinto-me bem.

No momento em que me encontro só mesmo o meu amigo para me fazer rir, mantenho o sorriso, mas creio que nos últimos tempos até esse meu brilho se perdeu um pouco algures em mim...
As suas histórias são sempre surpreendentes e, genuínas tal como é o Manuel.
Obrigada é o que consigo dizer neste momento.

Um grande beijinho de amizade da eterna Luz