terça-feira, 2 de novembro de 2010

A Pita da Alice






Sabem que esta pequena estória podia ser verdadeira?
Eu sei que não é, mas que podia..podia!




A Alice tinha uma pita e andava ufana. Dizia a toda a gente:

-A minha pita é linda e não há outra igual.

No pátio, onde vivia, já todos estavam cansados de a ouvir elogiar a pita. As mulheres olhavam de lado e passavam mostrando total desinteresse, os homens não passavam sem querer fazer um afago na pita da Alice.

Os tempos iam passando e a pita ia crescendo, era linda, fofinha apetecia mesmo fazer uma festinha.

Mas nem pensar a Alice não deixava ninguém mexer na sua pita. Era dela e só dela.

Hoje a pita está enorme, delicada e muito branquinha, parece que a neve a veio enfeitar de alvos e imaculados flocos.

A mãe da Alice, essa, não anda nada satisfeita, pois a pita não é asseada e pita que não é asseada deita mau cheiro.

A mãe ia avisando a Alice:

-Se não cuidas em condições da tua pita ainda vais ter um desgosto, toma atenção e depois não digas que eu não te avisei.


A filha resmungava:

-Pois tens inveja da minha pita e até acho que gostavas de ter uma como a minha, mas não penses porque a minha é única, é especial. Pergunta ao meu namorado porque é ele quem mais brinca com ela. Vá lá! Pergunta!

A mãe não gostava nada destes desaforos da filha e rilhando os dentes ia ameaçando:

-Depois não me venhas dizer que eu não te avisei!

*******

Um dia, há sempre um dia, Alice chegou a casa e não viu a pita:

-Mãe onde está a minha franga?

-Eu avisei, não avisei? Não me destes ouvidos e agora a tua pita está na panela.
Deu uma bela canja. Oh se deu!






10 comentários:

Menina do cantinho disse...

eheheheh
Nada como passar por aqui para descontrair na pausa dos estudos ;)

Beijinhos

SDaVeiga disse...

Já ía uma canjinha.... ;-)

Estes "trocadalhos" são um espectáculo!!!

Mais uma fantástica Manuel, parabéns!

acácia rubra disse...

Que bom, Manuel, a pita ter acabado em canjinha. Se fosse em cabidela já não era do meu agrado...


Quando eu tinha talvez uns 5 anos deram um borrego aos meus Pais. Eu e o meu irmão tomámo-nos de amores por ele.

O borrego andou, comeu e cresceu e um dia, coitado, morreu.

Na altura não percebemos mas também não me consigo lembrar do que, nos dias a seguir, comemos...

Beijo

Luna Sanchez disse...

E eu pensando que "pita" fosse uma cachorrinha...rs. Também pensei em uma segunda opção mas não era galinha.

Tsc-tsc-tsc

Rs

Beijo, beijo.

ℓυηα

AFRICA EM POESIA disse...

Manuel
Boa pergunta
foi só para as outras cores sobressairem e não ficar muito colorido.

Um beijinho
um dia destes mudo...
por ti.
Obrigada pelo comentário...

Magia da Inês disse...

Amigo...
Que sufoco!!! Eu não sabia o que era pita até ler a última linha...
rsrsrs...
Fazer um carinho na pita? rsrsrs...
Tu não tomas jeito mesmo!!!
Bom fim de semana!
Beijinhos.
Brasil

Kimbanda disse...

Amigo e estimado Manuel,

Não se faz isso com uma pita que não é nossa, ehehe!

Agora mais a sério e contrariamente ao que diz a Acácia Rubra, já ia um arroz de cabidela.

Kandando e um óptimo domingo.

Sandra Botelho disse...

Amo canja, ainda mais quando está friozinho...
KKkk. Bjos achocolatados

Luz disse...

Caro amigo Manuel,
De facto o seu dom para contar estas histórias é divinal :)
E, tenho que lhe dizer que passar por aqui é uma alegria!
Não imagina o este momento significou para mim, por isso, obrigada!

Beijinho da amiga Luz

Magia da Inês disse...

Oiiiiiiiiiii, Manuel!...
Tens pena de nós!...
Aguardamos o próximo post.
Beijinhos.
Dila
Brasil