terça-feira, 8 de março de 2011

As fantasias de um sonho.....




De verdade eles amavam-se, mas era uma relação amorfa, sem motivações, sem aventura, sem aqueles momentos em que o primitivo e o preconceituoso deixa de fazer parte da realidade.

Seguiam as regras de uma cartilha ultrapassada e desactualizada. Faziam amor como se fosse uma rotina obediente a cânones antigos e estafados. Sem chama, sem rasgos.

Era apenas doçura e satisfação. Sem aventura, sem explosões.

Era um classicismo bacoco, estafado e monocórdico. Era, apenas, como o cumprir de uma regra, de uma tradição.

Ele parecia conformado com a sua falta de ambição. Sem o rasgo da diferença. Apenas com o dever cumprido.

Ela sonhava, sonhava com fantasias que não tinha coragem de falar e adormecia na ilusão de um cavaleiro que a transportava na garupa de um alazão e, em qualquer praia deserta a despia, com os dedos a percorrerem em suaves carícias um corpo prenhe de desejo.

Sentia a roupa a pouco e pouco ser despojada e o corpo estremecia em frémitos de desejos há muito contidos.

Experimentava uns lábios que a percorriam e uma língua terna e húmida que lhe moldava o pescoço em carícias ternas, lhe descobria o corpo, lhe beijava todos os contornos em fantasias voluptuosas de calor e ternura.

Gozava o fogo que a invadia em espirais de lascívia e de sensualidade.

Deliciava-se com seiva que a percorria e que brotava em míriadas de estrelas que irrompiam no seu cérebro, em explosões de loucura e em gritos de prazer.

Sentia-se a ser trespassada em fogo de glória e de loucura.

Acordava no êxtase de um calor húmido e reconfortante.

Ao lado, o marido, ressonava suavemente.



6 comentários:

Dina Vieira disse...

Por vezes, quando se perde alguém , é que se dá o devido valor...Nunca é tarde para uma conversa...
Obrigada pelas visitas ao meu blogue,e pelas palavras preciosas.
Beijinhos.

Sonhadora disse...

meu querido Manuel

Um amor sem paixão...mas calmo e repousante, por vezes são os melhores.

Beijinho com carinho
Sonhadora

Magia da Inês disse...

Amigo... você é um mestre na arte de escrever... mas essa história é de amargar!...
Beijinhos.
Brasil ...
° * • ♫ ♫ ¸
ღ ♫ ° ° º

SDaVeiga disse...

A distância não se mede só em palmos, metros ou quilómetros... mede-se também na ausência de comunicação - e é a pior!
Que ela ganhe coragem e ele descubra como é bom sonhar

Boa semana!

Luz disse...

Amigo Manuel,
Mais uma bela história e bem real.
Há quem nunca saiba como é bom sonhar e dar asas ao sonho para poder voar, mais propriamente concretizar e, em muitos casos a falta de comunicação é o grande problema. Um sonhar e o outro apenas se acomodar só podia dar nisto...
Tem de haver equilíbrio.

Beijinho com amizade

Vivian disse...

Bom dia,Manuel!!

Sem amor...sem sintonia!É difícil!
O pior é a falta de comunicação!!Querer que o outro adivinhe o que você quer...nunca dá certo!
Beijos!!