segunda-feira, 16 de maio de 2011

O Outeiro dos milagres....






Uma amiga, que muito prezo, escreveu um dia:
Gosto como escreves, ainda vou pegar uma fase feliz sua...com finais mais felizes...

Para ti tentei este que espero que não o aches triste.








-Já viu amigo Jeremias aqueles moços que parecem iguais?

-Então amigo Meireles são gémeos, são os netos do Caga-Azeite. Aqueles rapazes são fruto de um milagre.

-Milagre?

-Sim milagre. A Isabelinha casou com um moço da Guarda Republicana, bom rapaz por acaso, e queriam á força ter um filho e nada. Até foram ao médico, mas a rapariga continuava seca como um carapau. Foi ai que alguém se lembrou de lhe dizer para ir ao Outeiro dos Milagres. Eles foram e o resultado está á vista.

-Conte lá isso melhor que eu não entendi nada.

-Então aqui vai. Dizem os mais antigos que quem tem algum problema para resolver e não consegue, deve ir ao Outeiro e levar uma enfusa de água que deixa ao luar. De hora a hora, conforme os casos, bebe um copo ou faz banhos com essa água. Dizem, eles, que se conseguem resolver todos os problemas.

-Custa a crer.

-Já sabe de um caso que até parece que foi lá resolvido. Até dizem, alguns, que os catraios foram lá feitos. É o que se diz.

-Aconteceu homem. É uma coincidência.

-Coincidência nada, há mais. O filho do tio Zé da Velha tinha um problema nas virilhas. O rapaz não se dava conta com a comichão e as borbulhas que o apoquentavam noite e dia. Correu médicos e mais médicos. Experimentou todas as mesinhas, unguentos, poções e nada. O moço andava desesperado e até evitava arranjar namorada com a vergonha. Foi ao Outeiro, levou a água que pôs numa bacia ao luar e de hora a hora foi lavando as partes. Foi milagre, está curado, nunca mais teve problemas. Até já arranjou namoro com a filha do Lino Coveiro.

-Estou a ficar admirado.

-Vou-lhe contar mais uma. A Joana, filha da Alzira Coxa, nasceu-lhe uma coisa ruim na barriga. A rapariga andava descorçoada, até foi ao Hospital na cidade, onde a queriam operar. Mas não lhe prometiam nada, pois só depois de a abrirem podiam saber o que tinha. A mãe não se conformou e levou á rapariga ao Outeiro. Passaram lá a noite a por pachos com a água que estava ao luar, foi remédio santo. No outro dia, ouviu-se um estrondo e pum, aquilo rebentou e encheu um balde de porcaria. Ficou curada.

-Se não fosse você a contar eu não acreditava, mas assim nem sei que dizer.

-Passe bem amigo Jeremias!

********

-Então caro Meireles que cara é essa?

-Sabe aquilo que me contou ontem sobre o Outeiro dos Milagres? Pois quando deixei o amigo, fui a casa, peguei na minha Perpétua, num garrafão de água e numa bacia e pimba, fui a caminho do alto. Deitei a água na bacia que ficou ao luar. De hora a hora obriguei a mulher a lavar a cara com a água. Contrariada mas lá foi fazendo o que lhe disse.

-Então homem, qual era o problema da patroa?

-O problema, então não a conhece?

-Conheço e bem.

-Pois como pode ver não houve milagre nenhum. Foi feia e só não voltou pior, porque mais feia não se pode ser.

-Valha-me Deus


6 comentários:

Sandra Botelho disse...

Kkkkkkkkkkkkkkkkkk...Amei querido...Coitadinha, mas feiura não é doença neh?Tem cura não !costumo dizer que beleza acaba, mas feiura aumenta...Beijos querido dias de luz pra ti

Janita disse...

Valha-me Deus...mesmo!
Tadinha da Perpétua.

O Manuel chama a isto um final feliz?:-))

Bjo.

Janita

acácia rubra disse...

Ainda me estou a rir! E a pensar que talvez, se o homem fosse molhando os olhos, a visse com outros...

Beijo

Magia da Inês disse...

Amigo,

Discordo de tua amiga que disse que tuas histórias sempre tem finais tristes.

Algumas sim... aquelas que tu queres nos fazer refletir...

Muitas das suas histórias são intrigantes e outras... modéstia às favas... já me fizeram rachar o bico de tanto rir.

Tu és eclético... escreves sobre tudo e todos... de uma maneira muito tua... muito encantadora... até nas histórias com finais tristes... há muita emoção.

És um maravilhoso escritor... sou tua fã número um... fico aguardando cada post... à cada semana.

Beijinhos.
Dila

°º✿
°º✿ Brasil
º° ✿♥ ✿° ·.

Sonhadora disse...

Manuel

Só tu para me fazeres rir com essa da Perpétua...e voltei atrás no tempo e recordei as histórias que se contavam, e o caga-azeite,na minha terra havia um com esse nome.
mas gostei como sempre e deixo um beijinho.

Sonhadora

Vivian disse...

Bom dia,Manuel!!!

Meu amigo!!!Sabes bem que adoro o que escreves,gosto de conhecer sua percepção das coisas, da vida, e mesmo nunca nos termos visto pessoalmente, desejo sua felicidade.Me sinto feliz em ter te encontrado neste mundo da blogosfera.
Este teu texto é um presente!!!
Impossível não cair na gargalhada, no final!!!!
**Que pena que não ocorreu o milagre!!rsrsr
Mas tem coisas que não tem jeito mesmo!!rsrs
Obrigada pelo presente!
Obrigada pelo apoio que tem me dado no blog novo.Estou até pensando em fazer um curso de Contos(descobri que uma Universidade, daqui tem um curso de extensão de Contos...).
Gosto de aprender e pode ser muito bom...
E que os pequenos milagres, que nos fazem felizes, possam sempre acontecer pra ti!
Beijos!!!
Com carinho e admiração!