domingo, 5 de fevereiro de 2012

Tempos modernos



Não sabia o nome mas o seu coração já lhe pertencia.

Por diversas vezes tinha tentado fazer-se notado mas, ela, parecia indiferente ou fingia.

Não ia desistir, nunca o fizera e não iria ser agora, pois tinha a noção de que se estava a fazer difícil, e para ele, mulheres difíceis era um desafia que adorava e a que esta acostumado.

Hoje estava, ainda, mais radiosa, brilhava de sensualidade, pernas longas a que uma reduzida saia davam um encanto muito especial, o decote cortado de forma certa e propositada deixava ver o suficiente para fazer adivinhar o que estava escondido.

*****

Eduardo pensou que seria hoje ou nunca, não delineou nenhuma estratégia, não tinha nenhum plano mas tinha confiança no seu sex-appeal.

*****l

Francisca, assim que pisou a calçada apercebeu-se daquele ar embasbacado do homem, mas ia ficar indiferente e fingir que não percebia pois já estava habituada aos olhares gulosos de conquistadores baratos.

Tinha, quase, asco do andar gingão e do olhar laivoso daquele sujeito que só pelo facto de ser vizinho e doutorzinho, que vivendo à custa os papás, se sentia dono da rua, do bairro e se calhar do mundo.

Estugou o passo e fingiu não perceber o convite para um café e, muito menos, para um cinema.

Olhou de atravessado antes de dizes    :

-Não se importa de me desemparar a loja?

******

Eduardo estava a ficar um pouco frustrado, a tipa era mais difícil do que pensava, mas estava desconfiado que era estratégia para se fazer mais desejada, as mulheres tem dessas coisas, sabem muito.

Pelo andar ia para a pastelaria, pelo menos levava esse jeito e aí, era um bom local para uma abordagem mais directa.

Não estava enganado, o borracho ia mesmo beber café.

*********
Apressou o passo, queria entrar antes, para que ela ao chegar o tivesse que encarar de frente.

Ela chegou majestosa, irradiando beleza, encaminhou-se para uma mesa onde outra mulher parecia espera-la.

Beijaram-se ternamente nos lábios, entrelaçaram as mãos e, enlevadas, saíram para o sol que brilhava esplendoroso.

Eduardo fez beicinho, colocou os cotovelos no balcão e pediu uma bica.

 Modernices!


21 comentários:

Parole disse...

Muito bom!

E não adiante fazer beicinho, pois como bem disse, modernices.Não há muito o que fazer...

Beijinhos, querido.

;)

Edilene disse...

RSRS, hoje a coisa está bem assim mesmo. Coitado do Eduardo ficou a ver navios.

http://rabiscosdadi.blogspot.com

Zilani Célia disse...

OI MANUEL!

MUITO BEM ESCRITO TEU CONTO.
ALÉM DISSO, ENGRAÇADO, MODERNOSO MESMO.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com/

Luís Coelho disse...

Penso que não são modernices.
Ainda que possa ser história pode também ser uma atracção natural.

Não julgo e não condeno. Cada pessoa tem direito de ser feliz pelos caminhos que escolher e as companhias que corresponderem aos seus desejos.

Uma coisa muito importante é o respeito que devem usar sempre e em todos os lugares.
Se querem ser aceites respeitem e serão respeitados...


Nota:
A história da Mariana é real e actual. Trabalhei com este casal cerca de trinta anos.
Aqui apenas lhes dei outros nomes.

Ela é uma super-mulher. Os filhos com as suas mulheres e as suas meninas, netinhas, gostam muita da Mariana. Nenhum deles quer ver o pai mal, mas ele é testa dura...

5 de Fevereiro de 2012 23:55

✿ chica disse...

Belo conto! Bem atual! abraços, linda semana!chica

acácia rubra disse...

Não digo nada. São mesmo modernices!

Beijo

Vivian disse...

Bom dia,Manuel!!!

Ah!!Que surpresa a dele não?!!rsrs
Ela nem estava se fazendo de difícil, era total falta de interesse mesmo!!!rsrs
Os homens se enganam muito com as mulheres, nem todas são fáceis e nem todas fazem estes joguinhos(se fazendo de difícil),existem as que possuem virtude mesmo,valores, e se portam como devem!Não é tipo!
Assim como não acreditom que todos os homens sejam iguais...existem claro,coisas em comum,mas cada indivíduo é unico.Adoro suas histórias!!!!Beijos pra ti meu amigo!!Bom começo de semana!!

SOL da Esteva disse...

Amigo Manuel

Modernices. Pois!...

Confesso que levei até ao final a minha ideia do final, errada. Decerto, não tão discrepante quanto a "tampa" que o Eduardo iria levar da Francisca.
Uma bela (sempre bela e imprevisível) teia dos teus Contos.

Abraços

SOL
http://acordarsonhando.blogspot.com/

Evanir disse...

Tenho sido abençoada com sua presença em minha vida
com seu carinho no meu blog.
Hoje venho desejar uma semana abençoada
e deixar meu eterno agradecimento.
Nunca esqueça leio sua postagem e trago comigo no
meu coração.
Hoje ñ estou conseguindo digitar.
EU vou continuar te seguindo e te amando sempre.
Aceite meu beijo no coração e meu carinho
na sua alma.
Evanir..

Janita disse...

Olá Manuel.
Esta sua história reveladora destes tempos modernos, talvez não seja tão moderna assim.
A homossexualidade já vem desde tempos imemoriais, apenas não era evidente aos olhos de todos.
Esta é minha opinião, evidentemente!

Gostei da história! Aqui o Manuel fez referência a um factor importante. Qualquer D. Juan que não veja numa mulher a receptividade esperada às suas arremetidas de conquistador barato, pensa que ela se está a fazer difícil. Quando na maioria das vezes ela não está minimamente interessada nele.
Neste caso a bela jovem tinha uma namorada, assim como poderia ter um namorado ou simplesmente não ter ninguém.
Bem feito para esse conquistador de meia tigela!:))

Gosto imenso da forma como o Manuel relata a personalidade dos seus personagens, levando-nos a gostar ou a detestá-los.
Acho ser essa a característica de um verdadeiro escritor.
Parabéns.
Um beijo.

Janita

Regina Rozenbaum disse...

Eiii Manuel!
Fiquei muito feliz com sua visita. Já o tinha visto/lido em blogues de amigos em comum e não sei os motivos nunca adentrei aqui...agora tôdentro rsrs.
Modernices ou não é bem assim acontece já faz tempo. Concordo com o comentário da Janita. Volte sempre que quiser ou puder. Já deixei reservado, amorosamente, um lugar no nosso divã procê.
Beijuuss n.a.

Centelha Luminosa disse...

Olá Manuel!!
Gosto do teu jeito de escrever, de forma simples, mas com um jeito todo especial de manter na gente, o interesse.
Tu, meu amigo, possui o poder da sintese, coisa que falta em muitos escritores por aí...

Que o tal Eduardo venha para o Brasil apreciar as lindas brasileiras sambando na Sapucai do Rio de Janeiro..rsss...Por falar nisso, tu gostas de carnaval , Manuel??
Lá no "Sementes..." tem uma Colombina sem o Pierrot e o Arlequim...Rss

Beijos e abraços, meu amigo!

AFRICA EM POESIA disse...

Manuel
é a vida o Eduardo que espere.
Hoje para nós acabou de correr bem
mas se corresse mal talvez fosse melhor. será que me entendes??

AFRICA EM POESIA disse...

só hoje respondo a visita ao meu cantinho
Só hoje fiquei tranquila para o fazer.
esta lareira não era uma lareira qualquer
era a minha lareira.
e era a minha preocupação..
O meu marido ia ser operado.eu estava muito preocupada e sem animo para muita coisa.
Mas a operação correu muito bem e ele já está em casa.
ontem tbm fiz uma pequena cirurgia à boca para implantes e vim muito debilitada e nem abri o pc.
hoje venho dar-vos um beijo e partilhar convosco a razão da minha ausência..

beijosssssss

LAREIRA

Lareira acesa...
Lareira quente...
Vermelha muito vermelha...
Cheia de cores...
Que aquecem...
E me deixam encostar...
O meu rosto ao teu...
E dizer-te baixinho...
Fica aqui...
E deixa-me ficar...
Sempre assim!...

LILI LARANJO

BlueShell disse...

Bom dia,
Que maravilha! Gostei. BJ
BS

Menina do cantinho disse...

É sem dúvida algo a que cada vez mais vamos assitir. E ainda bem. Todos temos o direito à felicidade.

Beijinhos

Sonhadora disse...

Meu querido Manuel

Adoro a maneira que escreves, quase que assistimos ao que descreves.

Deixo um beijinho com carinho e desejo um bom fim de semana.

Sonhadora

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Isso sempre existiu, mas era por "debaixo dos panos". Assim, às claras, nos "tempos modernos", é bem melhor, não causa surpresa...

Minha primeira visita, gostei e já me "instalei", Manuel.

Um abraço,
da Lúcia

Sandra Botelho disse...

È amigo fazer o que neh? As coisas mudaram. Modernices kkkk. Bjos achocolatados

Magia da Inês disse...

Kkkkkkkkkkkk
Garota difícil mesmo para um conquistador barato!!!
Kkkkkkkkk
Boa semana!
Beijinhos.
Brasil

(⁀‵⁀,)
¸`⋎´
¸.•°`♥

rosa-branca disse...

Amigo Manuel, assim não vale...engana-me quase sempre com o final dos seus contos. Eu sei...o grande problema é que eu sou uma romântica incorrigível e como tal vou sempre descambando nos finais. Este final se não é modernice, pode ser uma pequena vingança para o doutor. A verdade é que a sua história é bem actual. Embora eu não critique ninguém, acho, que se voltasse a nascer, seria como sou hoje...sem modernices. Beijos com carinho