terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Uma bica curta - Parte 2





Levantei-me bastante cedo. Noite povoada de sonhos estranhos, de mulheres lindas que de repente se esfumavam num riso sarcástico e provocante.

Depois de um banho ligeiro sai na procura de um suculento pequeno-almoço que me desse animo para enfrentar o dia.

O ar da rua estava gélido e as pessoas esfregavam as mãos tentando que a circulação desse uma ajuda nos enregelados dedos.

Entrei no café habitual e a Joana com um sorriso fresco serviu-me o costume.

O meu carro, contrariando os últimos dias, reagiu à primeira e o som do motor deu-me a satisfação de me embrenhar na confusa citadina.

Ia voltar ao café da senhora gorda, tinha que vasculhar melhor toda esta história que me estava a confundir e a deixar totalmente baralhado. Nunca, nada igual, me tinha a acontecido. Não me entrava na cabeça que uma morta me incumbisse de um serviço inexistente, me deixasse 1 200 Euros bem vivos e se esfumasse como se na realidade não existisse.

Estacionei o carro no espaço onde antes, segundo me disseram, existiu uma vivenda onde morava um casal composto por uma volátil deusa e o afortunado marido.

Quando entrei no café a Dona Inocência, assim se chama a gorda, olhou-me como se de repente o Arnold Schwarzenegger tivesse entrado no estabelecimento para beber uma bica curta, fez um sorriso cascavélico e perguntou:

-Então amigo gostou do meu café e voltou?

Mostrei-lhe os dentes e com a voz mais doce que encontrei retorqui:

-Gostei muito, mas também gostava de fazer umas perguntas.

Olhou-me com ar admirado.

-Mau, mau, mas que posso eu saber que lhe seja útil?

-Sabe aquela história do casal Cascudo? Preciso de saber algo mais e acho que a senhora me pode ajudar.

-Mas que posso ajudar mais?

Contei-lhe toda a história, a visita daquele monumento de mulher que me veio contratar, do pagamento que me fez.

Olhou-me de forma estranha, persignou-se e limitou-se a dizer:

-No seu caso ia falar com o padre.

Fiz esforço para não me irritar.

-Mas eu não acredito em coisas sobrenaturais!

Desta vez ela ficou feliz, e foi com uma gargalhada que disse:

-Mas o casal Cascudo era muito crente, ia todas as semanas à missa e o nosso padre era amigo e visita da casa, por isso acho que falar com o padre pode ajudar.

Raio da gorda que desta vez me passou uma rasteira. Engoli em seco, agradeci e sai.

Já tinha passado á Igreja mais do que uma vez pelo que foi fácil localiza-la.

Havia poucos fiéis quando atravessei o templo a caminho da sacristia, pois penso ser o local mais provável para encontrar o padre.

Era um homem com um ar muito doce, sereno e de modos muito delicados. Olhou-me com grande curiosidade e perguntou:

-Meu filho em que lhe posso ser útil?

Estudei as palavras, não queria criar desconfianças, e com o melhor sorriso respondi:

-Obrigado por me atender. Tenho uma grande necessidade em tirar a limpo uma situação que me tem dado cabo da cabeça e para a qual não consigo encontrar explicação. Contei tudo o que tinha acontecido desde a visita daquela senhora a contratar os meus serviços.

Olhou-me de forma interrogadora e fiquei sem saber se estava a duvidar ou se pensava que eu tinha perdido o juízo. Pigarreou, limpou os lábios com um lenço de papel, olhou-me por cima dos óculos e quase com esforço disse-me:

-Sabe, meu amigo, que não sei bem o que pensar. Eu fui muito amigo desse desditoso casal, bons cristãos, pessoas de bem, beneméritos que muita falta ficaram a fazer a esta paróquia mas, essa descrição que me fez não corresponde à Dona Marta. Era uma mulher muito interessante, bonita mas dessas coisas de “monumento”, como disse, percebo pouco. Era, de facto, uma mulher linda e de grande vivacidade, muito recatada e de grande sensibilidade.

Fiquei inquieto, algo estava a ficar descontextualizado, o caso começava a ficar no reino de inverosímil. Insisti:

-Mas Senhor Padre o que me pode adiantar mais? Os óbitos foram confirmados? Quem era a família? Quem mandou demolir a vivenda onde o casal habitada? Conte-me tudo que me possa ajudar a resolver este imbróglio em que me meteram.

Coçou, ligeiramente, a orelha direita e voltou a catarrear. Olhou-me com simpatia e, pareceu-me, que com algum desconforto contou-me:

-Como lhe disse, eu, era amigo pessoal do casal e fiquei muito consternado quando me chegou a notícia de tão grande desgraça. Como deve calcular não me preocupei muito com confirmação do óbito, as autoridades devem ter feito o suficiente para confirmar.

Sei que o Senhor José Maria tinha uma irmã e um sobrinho embora, segundo me parece, não havia um grande relacionamento. A Dona Marta tinha os pais e um irmão, que vivem na terra natal e que se dedicam à agricultura. É tudo quanto sei. Despediu-se.

Voltou atrás para dizer que a vivenda, segundo sabia, era alugada por isso era natural que os proprietários a tivessem demolido. Saiu de vez e encaminhou-se para o altar onde o esperavam para dar início a uma cerimónia.

Quando me dirigia ao local onde tinha o carro vi disparar um Audi branco tendo ao volante a mulher que me tinha criado todo este sarilho. Arrancou muito rápido mas tive tempo para ver a matrícula.

Tentar seguir era pura utopia, pois o meu velho chaço não tinha qualquer hipótese.

Voltei ao café da gorda que me recebeu com um sorriso capaz de fazer murchar uma flor.

-Então Senhor Detective vem mais santo?

Olhei-a de tal forma que o sorriso voltou para o mesmo sítio donde tinha vindo.

-Não viu parado ali em frente um carro branco? Um que arrancou fazendo uma chiadeira dos diabos?

Olhou-me irritada e, quase, gritou:

-Eu estou cá para encher uns copos aos bêbados que por aqui vão vegetando e para tirar umas bicas curtas aos detectives que me caem de pára-quedas, não tenho tempo para olhar para os carros da rua. Boa tarde!

Saí, o sítio cheirava mal, entrei no carro e segui para a cidade.

-Merda de dia!

Perdi o dia embrenhado em cogitações e deambulando na esperança de voltar a ver o carro. Em vão.

Fui jantar ao Bar do Elias e segui para casa.

***

Manhã cedo fui direito ao Registo automóvel, tinha lá um amigo que me devia alguns favores e, que agora, eu ia cobrar.

Quando me viu exclamou com satisfação:

-Olha o meu amigo Gilberto por estes lados. Gaivota em terra temporal no mar. De que é que precisas?

Sorri, ele estava bem-disposto.

-Olha amigo preciso saber tudo o que me possas dizer sobre este carro. Dei-lhe um cartão com a matrícula.

Olhou com atenção e, franzindo a testa, introduziu alguns dados num computador e esperou, enquanto ia coçando o ouvido com o dedo mindinho. Andou com o cursor para trás e para a frente, observou, franziu a testa antes de me dizer:

-Estás com azar pá! Este carro já não existe, foi abatido em Outubro do ano passado, teve um acidente, ardeu totalmente ele e os ocupantes, por isso já não existe.

-Fogo, exclamei! Começo a ficar farto desta trampa. Como pode não existir se ainda ontem o vi?

Soltou uma gargalhada, antes de dizer:

-Foi depois de um bom almoço e já não vias bem as coisas!

-Nada disso. De quem era o carro?

-Dum tal José Maria Cascudo.

Agradeci e sai para o frio do dia.

Que sorte a minha!

-Será que a tipa morreu mesmo?




9 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido Manuel

A história está cada vez melhor...fico ansiosa esperando mais um capítulo.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

acácia rubra disse...

Isto está a complicar-se.

Vou rever todas as dicas e depois volto.

Beijo

Kimbanda disse...

Olá amigo Manuel,

Está a ficar interessante, complicado como escreveu a Acácia.

Bom feriado e meu kandando.

Luna Sanchez disse...

Manuel,

Acho que a tal pinta é uma defunta fresca...rs

Um beijo, estou gostando muito de acompanhar o conto.

ℓυηα

SDaVeiga disse...

Concordo com os comentadores anteriores: o enredo adensa-se!!!

E eu que nem sabia que o Bruce Willis cantava...

Boa semana e boa inspiração para o próximo capítulo.

Magia da Inês disse...

Olá, meu amigo escritor!
Isso não vale, vi?
Você embromou e não contou contou o resto da história.
Beijinhos.
Brasil

Menina do cantinho disse...

Isto está a ficar cada vez mais interessante.
Aguardo o próximo capitulo :)

Beijinhos

AFRICA EM POESIA disse...

Manuel
Fico com pena de não apareceres é tão perto...

Se puderes vai tomar o café e já levas o livro...

Deixo apenas...POESIA...
um beijo


SOLIDÃO


O que é afinal a solidão?
Solidão será que é estar só?
Solidão será afinal o quê?

Solidão é sentir que estou só
Mesmo só, mesmo tendo muita gente
Gente que me rodeia mas não a vejo...

E assim a solidão entrou aqui
Entrou e resolveu fazer do meu eu
A sua morada permanente.

E a solidão que é mesmo solidão
Está no meu coração e dói...
Sinto-a mesmo estando rodeada de gente

E então penso como combatê-la
Como parar esta solidão que aleija
Fecho os olhos e penso que ao acordar...

A solidão partiu para sempre
E foi procurar outro peito, outro eu
Para poder morar...

E ao sonhar
Tenho a Esperança
De não mais
Sentir a solidão...


LILI LARANJO

Sandra Botelho disse...

Eita ...VOu esperar a proxima, amei amigo.ufa que agonia...rsrsr
Bjos achocolatados